Plano para aceitar países na OCDE pode destravar adesão brasileira, diz agência

Secretário-geral quer incluir Brasil, Argentina, Peru, Romênia, Bulgária e Croácia de uma só vez

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Lisandra Paraguassu
Brasília | Reuters

Depois de esperar anos para ingressar no clube das nações ricas, a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Brasil vê agora a possibilidade de um avanço como parte de um processo em que o secretário-geral da organização, Mathias Cormann, tenta levar adiante ao mesmo tempo a adesão de todos os seis países que estão na fila.

Fontes ouvidas pela Reuters confirmam que Cormann, um político australiano que assumiu a OCDE em março deste ano, tenta destravar o impasse das novas adesões com um plano de aceitar todos os seis --os latino-americanos Brasil, Argentina e Peru e os europeus Romênia, Bulgária e Croácia-- de uma vez só.

Depois desse aceite oficial, a velocidade do progresso de cada um para participação plena dependeria do cumprimento das regras da organização.

A intenção é levar o plano para ser discutido na reunião de ministros que acontece em Paris na próxima semana, em um debate que poderia ser usado para destravar as novas adesões.

Secretário-geral da OCDE Mathias Cormann acompanhado pelo secretário de Estado Antony Blinken em Paris, na França - Andrew Harnik - 25.06.2021/Reuters

O próprio processo de adesão do Brasil, iniciado em 2017, parou em parte devido à oposição dos EUA a essa expansão da OCDE para as nações do Leste Europeu. Apesar do então presidente Donald Trump ter patrocinado e apoiado a adesão brasileira, sua resistência em garantir uma expansão posterior para os europeus fez com que a União Europeia também não aceitasse começar o processo .

A estratégia de Cormann com essa proposta é diluir a resistência à adesão de qualquer país em particular, disse à Reuters uma fonte brasileira que acompanha as negociações.

A França, por exemplo, tem relutado em receber o Brasil na OCDE devido às políticas do presidente Jair Bolsonaro sobre o meio ambiente, sugerindo que o Brasil deve primeiro mostrar progresso no combate ao desmatamento na floresta amazônica.

O plano, no entanto, esbarra mais uma vez nos Estados Unidos. O novo governo democrata de Joe Biden ainda não manifestou sua posição sobre a expansão da OCDE, em nenhum caso.

Cormann tem conversado em particular com os países membros para obter apoio para sua proposta antes de apresentá-la formalmente na reunião de 5 a 6 de outubro em Paris, disse a fonte. Outra pessoa com conhecimento do assunto confirmou a proposta. Ambos pediram anonimato para discutir as negociações, que ainda são confidenciais.

O responsável brasileiro disse que a União Europeia sempre apoiou essa fórmula ou similares, mas sem os Estados Unidos definirem a sua posição, muitos países preferem esperar para se manifestar.

A OCDE, composta por 36 nações, é um fórum para países democráticos com economias de mercado sólidas. Chile, México e Colômbia são os únicos países da América Latina que conseguiram aderir.

O Brasil tem a expectativa de que a adesão à OCDE aumente a confiança dos investidores à medida que luta contra a alta inflação e o desemprego e os impactos persistentes do surto de coronavírus mais mortal do mundo fora dos Estados Unidos.

Questionado sobre o assunto, o Ministério da Economia, que toca a adequação do Brasil às regras da OCDE, disse que não há uma definição clara sobre o assunto.

(Colaboração de Anthony Boadle e Marcela Ayres, em Brasília)

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.