Descrição de chapéu series

Procura por agasalhos de 'Round 6' reanima setor de vestuário sul-coreano

Peça infantil da série estava sendo vendida a US$ 25,50 no maior mercado do país

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Yeni Seo Sangmi Cha Daewoung Kim
Seul | Reuters

Os agasalhos verdes "Made in Korea" usados pelos personagens da série "Round 6", sucesso global da Netflix, se tornaram uma luz no fim do túnel para o setor de vestuário sul-coreano, que passa apuros durante a pandemia.

Uma confecção de 500 metros quadrados de Seongbuk, um distrito da capital Seul, estava a mil por hora nesta semana, e fios verdes voavam de carreteis de máquinas de costura em uma corrida para atender encomendas.

"Outubro, normalmente, é um mês lento para o setor de costura, mas graças a 'Round 6' e ao Halloween, estamos correndo para costurar", disse a proprietária de confecção, Kim jin-ja, de 54 anos, à Reuters. "Agora estamos costurando 6 mil agasalhos verdes para crianças de colo e pequenas".

Confecção em Seul produz agasalhos da série sul-coreana "Round 6" - Kim Hong-Ji - 21.out.2021/Reuters

Kim diz que suas vendas anuais de US$ 1,27 milhão (R$ 7,25 milhões) despencaram para um terço do que ela costumava lucrar depois da chegada da pandemia de Covid-19. A maioria de suas encomendas vinha do Japão, mas as restrições de viagem a obrigaram a fechar em agosto e setembro.

O setor de vestuário da Coreia do Sul estava em declínio mesmo antes da pandemia, já que os salários mais altos tornam difícil competir com China, Vietnã ou Indonésia.

Dos 2.144 negócios de manufatura de Seongbuk, 70%, ou 1.510, são empresas de vestuário, disse Oh Byung-yeol, que preside a Associação de Costura de Têxteis de Moda de Seul, à Reuters.

Um agasalho infantil de "Round 6" estava sendo vendido a US$ 25,50 (R$ 145,63) no mercado tradicional de Namdaemun, o maior do país.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.