Descrição de chapéu inflação

Vestuário lidera intenção de compra na Black Friday, diz pesquisa do Google

Varejo se anima com retomada de atividades pelo consumidor, mas inflação é desafio

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Rio de Janeiro

Produtos de vestuário são os mais desejados por consumidores brasileiros na Black Friday deste ano, indica pesquisa divulgada pelo Google nesta quinta-feira (28).

O levantamento, encomendado à empresa Ipsos, ouviu 500 pessoas para medir a intenção de compra relacionada à data promocional, marcada para 26 de novembro.

Expositor em loja de roupas femininas
62% pensam em gastar nesta Black Friday com produtos de vestuário - Unsplash

Segundo a pesquisa, 64% dos consumidores entrevistados têm intenção de adquirir produtos na Black Friday de 2021. Os demais 36% ainda estão em dúvida ou não devem comprar.

Entre os itens ou grupos de produtos mais desejados, vestuário é citado em 62% das respostas dos consumidores que pretendem gastar ou que ainda estão indecisos.

É o maior percentual de intenção de compra, seguido por celulares (40%), livros e papelaria (38%), calçados (33%) e cuidados pessoais (27%). Os entrevistados tinham a possibilidade de citar mais de uma resposta.

Na visão de Gleidys Salvanha, diretora de negócios para o varejo do Google Brasil, o interesse por itens como os de vestuário pode ser associado ao desejo de parte dos consumidores de retomar atividades do pré-pandemia.

Esse movimento, diz, é embalado pela vacinação contra a Covid-19, que reduziu restrições ao deslocamento de pessoas nos últimos meses.

"O consumidor hoje está mais motivado pelo pós-pandemia", afirma.

"A gente está chamando esta Black Friday de Black Friday do começo ou do recomeço. Temos um consumidor totalmente transformado. Ele aprendeu muito na pandemia. Muitos entraram no online."

Conforme o Google, os dados desta pesquisa não são comparáveis a levantamentos de anos anteriores.

A CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) deve divulgar nas próximas semanas uma projeção para as vendas da Black Friday.

A entidade estima que, em 2020, a data promocional tenha movimentado R$ 3,74 bilhões, a maior quantia desde 2010, quando o evento foi incorporado ao calendário do varejo nacional.

Segundo Fabio Bentes, economista da CNC, o valor deve voltar a crescer em termos nominais, em 2021, para perto de R$ 4 bilhões. O avanço não deve ser maior devido ao impacto de fatores como a escalada da inflação.

Bentes explica que, nos últimos meses, a pressão inflacionária foi puxada por itens mais básicos para o dia a dia das famílias, como alimentos, energia elétrica e combustíveis.

Assim, a fatia do orçamento que poderia ser usada nas compras da Black Friday fica menor. A inflação de itens como a energia elétrica também afeta as margens de lucro de empresários, o que pode até dificultar descontos mais fortes na data promocional.

"Apostaria em uma movimentação financeira próxima de R$ 4 bilhões. Esse valor poderia ser maior? Poderia. Mas não deve ser porque as condições de consumo não são tão favoráveis", diz Bentes.

"Estamos em um processo de inflação alta. A taxa de câmbio subiu, mudou de patamar. Muitos produtos da Black Friday dependem de importações", acrescenta.

Neste ano, de janeiro a outubro, o IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15) acumulou alta de 8,30%. O indicador, calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), é conhecido como a prévia da inflação oficial.

Entre os produtos que costumam ser buscados na data, destacam-se as altas de preços de televisores, que acumularam inflação prévia de 18,12% no de janeiro a outubro.

Os preços de aparelhos eletroeletrônicos avançaram 9,91% na média, enquanto móveis e utensílios subiram 8,91%.

Pelo IPCA-15, a categoria de vestuário teve inflação prévia de 6,94% no acumulado deste ano. Ou seja, inferior ao índice geral.

Outros itens ou grupos que ficaram abaixo do IPCA-15 são livros não didáticos (4,17%) e cuidados pessoais (4,01%).

"Parte dos produtos do varejo teve uma alta menor nos preços do que a inflação porque o empresário não consegue repassar todo o aumento de custos. Se fizesse isso, afugentaria o consumidor", analisa Bentes.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.