Produção do pré-sal sob regime de partilha deve atingir 3,5 milhões bpd em 2031

Receita total estimada para os cofres públicos é de US$ 285 bilhões em dez anos

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Marta Nogueira
Rio de Janeiro | Reuters

A produção de petróleo no pré-sal sob regime de partilha deverá atingir aproximadamente média de 3,5 milhões de barris por dia (bpd) em 2031, apontaram dados publicados nesta quarta-feira (24) pela PPSA (Pré-Sal Petróleo), responsável por representar a União nesses contratos.

O volume será o equivalente a dois terços da produção nacional estimada pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE) para aquele ano, apontaram as estimativas, divulgadas durante 4º Fórum Técnico Pré-Sal Petróleo, transmitido pela agência EPBR.

Em 2022, primeiro ano do período analisado nesta edição do estudo, a parcela de óleo a que a União terá direito será de 24 mil bpd. Já em 2031, estima-se a produção de cerca de 1 milhão de bpd.

Plataforma de petróleo de Peregrino, no Rio de Janeiro, operada pela Equinor - Ricardo Borges - 24.out.19/Folhapress

"Hoje, estão em produção quatro contratos e, em setembro, nosso último dado, a parcela da União foi de 11 mil barris de óleo por dia. Estamos falando em ter um milhão de barris por dia em dez anos. E o mais importante: o estudo prevê que 70% da produção acumulada até 2031 virá de áreas que já possuem declaração de comercialidade. O cenário é muito promissor", disse o presidente da PPSA, Eduardo Gerk.

No total, o estudo apontou que a produção dos contratos de partilha deverá somar 8,2 bilhões de barris de petróleo em dez anos, sendo que 1,5 bilhão de barris de petróleo serão destinados à União.

Nesse contexto, a PPSA estima arrecadar cerca de US$ 116 bilhões (R$ 650 bilhões, na cotação atual), entre 2022 e 2031, com a comercialização de 1,5 bilhão de barris de petróleo que a União terá direito nos contratos de partilha de produção.

Arrecadação e Investimentos

O estudo projeta ainda que até 2031 os contratos de partilha de produção irão gerar uma arrecadação de US$ 92 bilhões (R$ 515 bilhões) em royalties e de US$ 77 bilhões (R$ 431 bilhões) em IRPJ (Imposto de Renda de Pessoa Jurídica) e CSLL (Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido).

Somando a perspectiva de arrecadação de US$ 116 bilhões com a comercialização da parcela de óleo da União, a receita total estimada para os cofres públicos é de US$ 285 bilhões (R$ 1,6 trilhão) em dez anos.

Para o desenvolvimento das atividades no Polígono do Pré-Sal, estão previstos investimentos de US$ 99 bilhões (R$ 555 bilhões) até 2031. Deste total, US$ 33 bilhões (R$ 185 bilhões) deverão ser aplicados em plataformas de produção; US$ 37 bilhões (R$ 207 bilhões) em poços; e US$ 29 bilhões (R$ 162 bilhões) em sistemas submarinos.

Ao todo, estima-se a contratação de 27 navios plataformas do tipo FPSO e 416 poços.

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.