Descrição de chapéu Folhainvest

Preço do petróleo salta 5,7% com corte surpresa na produção da Opep+

Organização sacudiu mercados ao diminuir produção de um milhão de barris de petróleo por dia

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Noah Browning
Londres | Reuters

Os preços do petróleo subiam nesta segunda-feira (3), registrando o maior aumento diário em quase um ano, depois que um anúncio surpresa da Opep+ (Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados) para cortar mais produção sacudiu os mercados.

O petróleo Brent subia 5,71%, a US$ 84,45 (R$ 429), por volta de 8h10 (horário de Brasília) após atingir a máxima em um mês, a US$ 86,44 (R$ 439) no início da sessão.

O petróleo nos EUA subia 5,90% a US$ 80,14 (R$ 407) depois de atingir o nível mais alto desde o final de janeiro.

A Opep+, incluindo a Rússia, abalaram os mercados ao anunciar cortes extras na produção de cerca de 1,16 milhão de bpd (barris por dia) no domingo (3).

Bomba de vareta para extração de petróleo impressa em 3D e, ao fundo, o logo da Opep - Dado Ruvic - 14.abr.2020/Reuters

Esperava-se que o grupo, conhecido como Opep+, mantivesse sua decisão anterior de cortar a produção em 2 milhões de bpd até dezembro em sua reunião mensal nesta segunda-feira.

As promessas elevam o volume total de cortes da Opep+ para 3,66 milhões de bpd, segundo cálculos da Reuters, o equivalente a 3,7% da demanda global.

Como resultado, o Goldman Sachs reduziu sua previsão de produção para o final de 2023 para a Opep+ em 1,1 milhão de bpd e elevou suas previsões de preço do Brent para US$ 95 (R$ 482) e US$ 100 (R$ 508) o barril para 2023 e 2024, respectivamente, disse em nota.

O governo do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que a medida anunciada pelos produtores era desaconselhável e alguns analistas questionaram a justificativa da Opep+ para o corte extra na produção.

"É difícil aceitar o raciocínio 'preventivo' e 'cautelar' —especialmente agora, quando a crise bancária diminuiu e o Brent voltou a subir para US$ 80 em relação a mínimas de 15 meses no início de março", disse Vandana Hari, fundadora do provedor de análise de mercado de petróleo Vanda Insights.

Rússia diz que corte da produção de petróleo é importante para apoiar preços globais

O Kremlin disse nesta segunda-feira que é do interesse da indústria energética mundial apoiar os preços do petróleo e dos produtos petrolíferos, um dia depois que a Rússia anunciou que irá estender até o fim do ano o corte de 500 mil bpd em sua produção de petróleo.

Perguntado sobre as críticas dos EUA, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, disse aos repórteres: "Neste caso, é do interesse da energia mundial manter os preços mundiais do petróleo e dos produtos petrolíferos no nível adequado. É nisto que você precisa se concentrar. Se os outros países estão satisfeitos ou insatisfeitos —isso é assunto próprio deles".

Peskov afirmou que é importante manter os preços em um certo nível porque o setor é intensivo em investimentos e porque no futuro previsível não é possível atender a todas as necessidades dos países a partir de fontes renováveis.

Perguntado se a Rússia tinha coordenado suas ações com a Opep+, ele disse: "A Rússia está em contato constante com vários estados da organização, este é um processo normal, mas nada mais. Neste caso, os países têm uma linha independente, um interesse independente em estabilizar o mercado".

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Tópicos relacionados

Leia tudo sobre o tema e siga:

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.