Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
03/09/2010 - 16h07

Ministro britânico quer atrair empresas brasileiras ao Reino Unido

Publicidade

DA EFE

O ministro de Empresas britânico, Vince Cable, afirmou nesta sexta-feira que o Reino Unido deve dar prioridade ao Brasil nas relações comerciais, durante um almoço com empresários brasileiros no Rio de Janeiro.

"O primeiro-ministro (David Cameron) me disse que o Brasil deve estar no topo de nossas prioridades", assegurou Cable, que hoje concluiu sua visita ao Brasil liderando uma delegação de empresários.

Ao longo desta semana, o ministro e representantes de 23 grandes companhias britânicas mantiveram encontros em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro com funcionários do governo Federal e com líderes empresariais.

"Vemos a relação comercial com o Brasil como um processo em duas direções: estamos totalmente abertos às empresas brasileiras", afirmou Cable. Ele convidou as empresas brasileiras que queiram "se internacionalizar" a se estabelecerem no Reino Unido.

A viagem está dentro da política econômica do novo governo britânico, liderado pelo conservador Cameron, que procura consolidar as relações comerciais com parceiros estratégicos.

A delegação liderada por Cable pretende estreitar relações com o Brasil em razão do potencial do país e do significativo crescimento do PIB (Produto Interno Bruto).

"Hoje, existem muitos investimentos de empresas britânicas no Brasil, mas não ao nível que deveria", reconheceu Cable, quem destacou o potencial do setor energético brasileiro, especialmente no campo do petróleo e dos biocombustíveis.

O ministro ressaltou que a petroquímica Shell assinou acordos para fornecer biocombustíveis e que a produtora de gás natural BG é o principal investidor estrangeiro no setor do petróleo no Brasil.

A delegação britânica também impulsionou acordos bilaterais de cooperação industrial no campo de defesa, em colaboração com a Marinha brasileira, e em engenharia avançada, com o uso de novas tecnologias.

As exportações do Reino Unido ao Brasil dobraram de 2004 para cá. No ano passado, somaram 1,7 bilhão de libras (US$ 2,625 bilhões).

O ministro Cable também destacou a colaboração dos dois países como organizadores das próximas edições dos Jogos Olímpicos, e Londres em 2012 e do Rio de Janeiro em 2016, com o objetivo de melhorar e se especializar na preparação do evento.

Por sua vez, membros do empresariado brasileiro pediram o apoio do Governo britânico nas negociações comerciais entre o Mercosul e a União Europeia, que realizaram sua última cúpula em maio passado em Madri.

"Não será fácil, mas faremos tudo o que pudermos", prometeu Cable. "Alguns países serão muito reticentes à importação de produtos agrícolas vindos do Brasil, e não quero dizer nomes", em referência à França, tradicional defensora do protecionismo no setor.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página