Expansão da equipe deve começar pelas áreas de vendas e marketing

Funções administrativas, como contabilidade, podem ser terceirizadas no início do negócio

Anna França
São Paulo

Quando o empreendedor toca sozinho todo o negócio, pode ser difícil abrir mão do controle e contratar um funcionário para ajudar

O empresário Gustavo Albanesi, dono do Buddha Spa, em São Paulo 
O empresário Gustavo Albanesi, dono do Buddha Spa, em São Paulo  - Lucas Seixas/Folhapress

A escolha certa do profissional, que se adeque ao perfil da empresa e tenha habilidades complementares às do futuro chefe, pode representar, contudo, um ponto de virada para a empresa.

O primeiro passo é definir exatamente o perfil que se quer do futuro funcionário, afirma a consultora de negócios do Sebrae São Paulo, Esmeralda Queiroz da Cruz.

Para isso, o empresário deve começar com duas perguntas: qual é a natureza da minha empresa e qual a ajuda que eu preciso para tocá-la.

Para o CEO da rede Buddha Spa, Gustavo Albanesi, a resposta é alguém que consiga oferecer o atendimento diferenciado pelo qual a marca preza. 

“O perfil da pessoa tem que estar de acordo com o da empresa para que ela se integre à equipe e à dinâmica do trabalho”, diz Albanesi. Isso não significa que o currículo ou as habilidades técnicas do candidato não contem.  

No caso das microempresas, que começam apenas com um ou dois sócios, a contratação deve mirar um funcionário com habilidades complementares, afirma a presidente-executiva da consultoria de RH Solides, Monica Hauck.

Ela recomenda também que as primeiras contratações mirem diretamente a geração de receita

“Escolha alguém que venda ou faça a parte de marketing, para ajudar a trazer mais dinheiro para a empresa. Funções administrativas, como contabilidade e jurídico, podem ser terceirizadas nessa primeira etapa.”

Desde a aprovação da reforma trabalhista, em 2017, as empresas ganharam novas opções de contratação, entre elas o trabalho intermitente, para funcionários sazonais,  a jornada parcial e a terceirização irrestrita, incluindo as funções ligadas à atividade fim do negócio. 

Hauck recomenda cautela na hora de escolher o regime de contratação. 

“Nem sempre um terceirizado tem o compromisso de ajudar a empresa a crescer”, afirma a consultora.

O advogado Maurício Pepe De Lion, responsável pelo Departamento Trabalhista do escritório Felsberg Advogados, também alerta para os cuidados com a burocracia na hora de contratar. 

“Há coisas simples que podem resultar em um grande problema. Por exemplo, um funcionário terceirizado não pode ter subordinação, ou seja, ter de se reportar a um chefe, o que pode caracterizar o vínculo empregatício”, afirma De Lion, que recomenda contratar um advogado para auxiliar na contratação.

Um contrato bem feito, de acordo com ele, pode evitar um processo trabalhista que comprometerá a saúde financeira da empresa. 

Quanto ao custo do profissional no regime CLT ou terceirizado, há diversos fatores que podem influenciar, desde a duração do projeto, se será fornecido equipamentos para desempenho da função e local de trabalho, afirma Hauck, da RH Solides. 

A contratação direta do funcionário terceirizado, com a nova lei, implica à empresa as mesmas obrigações do regime CLT, lembra Hauck. 

A redução de custos fica por conta da flexibilidade para desmontar a estrutura fixa da empresa, criando estruturas e departamentos conforme sua necessidade, sem lidar com passivos trabalhistas.

E se o funcionário contratado acabar não sendo a melhor opção para a empresa? Seja rápido em demiti-lo, afirma Claudia Gomes, que é a diretora executiva da consultoria Dromos.

“Muitas vezes, o empreendedor precisa tanto de uma ajuda que contrata apressadamente e não percebe alguns problemas do candidato. Quando tem de demitir, vai adiando porque não se sente confortável com a situação.”

Foi o que fez o presidente-executivo do Grupo MD de Comunicação, Denis Santini. 

Quando abriu a empresa, decidiu que precisava contratar um assistente. Escolheu uma candidata e anunciou que ela começaria em dez dias. Nesse intervalo, perdeu dois clientes e a vaga fechou. 

“Foi muito traumático ter de demitir uma pessoa no dia em que ela começaria. Hoje, avalio muito bem se estou mesmo precisando de um novo funcionário”, afirma. 


Cursos que dão o bê-a-bá do setor

Como analisar e  pesquisar o mercado
Apresenta conceitos e ferramentas de análise da concorrência, do mercado potencial, portfólio e preços praticados, para quem quer entender como posicionar sua marca no setor de atuação

  • Onde: Sebrae-SP
  • Quanto: Gratuito
  • Carga horária: 4 horas de duração
  • Formato: presencial
  • Site: solucoes.sebraesp.com.br

Transforme sua ideia em modelo de negócios
A oficina ensina como transformar sua ideia em um potencial modelo de negócio. A capacitação conta com lições que abordam propostas de valor, fontes de receita, segmentos de clientes e estrutura de custos, entre outros

  • Onde: Sebrae-SP
  • Quanto: R$ 200
  • Carga horária: 12 horas
  • Formato: presencial
  • Site: solucoes.sebraesp.com.br

Aprenda a empreender
Aborda as principais características de um empreendedor e os conceitos básicos sobre tocar um negócio, entre elas marketing e finanças

  • Onde: Sebrae
  • Quanto: Gratuito
  • Carga horária: 16 horas
  • Formato: On-line
  • Site: solucoes.sebraesp.com.br

Business Model Canvas – Como dominar essa ferramenta
O Canvas é uma nova ferramenta para auxiliar empreendedores e gestores na modelagem de seus negócios. É utilizada principalmente por startups para desenhar e redefinir modelos de negócios inovadores

  • Onde: Descola
  • Quanto: R$ 65
  • Carga horária: 2 horas (1 hora de videoaula e 1 hora de leitura complementar)
  • Formato: On-line
  • Site: descola.org/cursos

Do bar ao mercado
Auxilia o empreendedor a tirar a ideia do papel e, através de histórias reais de empresas de sucesso, evidencia trajetórias, ideias e contextos que fizeram com que esses negócios decolassem

  • Onde: Descola
  • Quanto: Gratuito
  • Carga horária: 45 minutos 
  • Formato: On-line
  • Site: descola.org/cursos

Planejamento estratégico para empreendedores
Passo a passo para o empreendedor entender os itens que deve levar em consideração na hora de fazer o planejamento de seu negócio

  • Onde: Endeavor
  • Quanto: Gratuito
  • Carga horária: 3 horas 
  • Formato: On-line
  • Site: endeavor.org.br

Empreendedorismo e gestão
Tem como objetivo fornecer conceitos e técnicas para gestão de empresas de pequeno e médio porte, por meio do estudo de temas como ferramentas mercadológicas; administração contábil, fiscal e financeira; gestão de pessoas e de tecnologia da informação

  • Onde: PUC-SP
  • Quanto: R$ 2.395
  • Carga horária: 80 horas 
  • Formato: Presencial
  • Site: pucsp.br

Como montar a sua empresa
É um curso prático para quem já tem uma ideia e quer tirá-la do papel. Ajuda a analisar um negócio em potencial a partir dos pontos estratégico e financeiro, a desenvolver um plano inicial de negócios com posicionamento de mercado, viabilidade financeira e plano de vendas, além de apresentar o plano de negócios para potenciais investidores

  • Onde: Brain Business School
  • Quanto: R$ 1.611
  • Carga horária: 16 horas
  • Formato: Presencial
  • Site: brainbs.com.br

Gestão do tempo
Ensina como administrar o tempo, para que o empreendedor consiga dividir suas horas entre as atividades empresariais e pessoais

  • Onde: BNI
  • Quanto: Gratuito para membros da organização
  • Carga horária: 4 horas
  • Formato: Presencial 
  • Site: bnibrasil.net.br

Fator X
Ensina a aplicar técnicas de diferenciação e posicionamento de marca para vencer a concorrência e conquistar a clientela

  • Onde: Site de Pedro Superti
  • Quanto: R$ 4.997
  • Carga horária: 12 módulos com vídeos e uma aula ao vivo com duração de 2h a 3h
  • Formato: On-line
  • Site: pedrosuperti.com.br

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.