Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/09/2012 - 14h40

Aiatolá iraniano considera Holocausto um 'fato ambíguo'

Publicidade

DA EFE, EM TEERÃ

O líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, qualificou nesta segunda-feira como "ambíguo" o Holocausto e atacou os homossexuais ao reiterar sua condenação pela divulgação do filme "A inocência dos muçulmanos", considerado "blasfemo" pelo mundo islâmico.

Khamenei explicou que os Estados Unidos e os países ocidentais utilizam a liberdade de expressão como desculpa para permitir o que considerou como mentiras sobre o Islã.

"Em muitos Estados ocidentais, ninguém se atreveria a questionar o fato ambíguo do Holocausto ou publicar um artigo contra o assunto sujo e imoral do homossexualismo", disse Khamenei, que usou estes exemplos para expressar sua opinião.

"Como é que o princípio de liberdade de expressão é respeitado no caso da profanação das santidades islâmicas?", disse Khamenei em referência à distribuição do filme que provocou fortes reações no mundo muçulmano, em algumas ocasiões de extrema violência.

30.ago. 12/AFP
O aiatolá iraniano Ali Khamenei diz que o ocidente usa a liberdade de expressão como desculpa para insultar o Islã
O aiatolá iraniano Ali Khamenei diz que o ocidente usa a liberdade de expressão como desculpa para insultar o Islã

O líder do regime teocrático iraniano exigiu que os Estados Unidos e seus aliados europeus atuem contra os responsáveis pelo filme, que faz menção a Maomé, o profeta do Islã. "Isso demonstraria fatos que não são cúmplices de um crime tão enorme", disse.

Para Khamenei, "os inimigos, entre eles os EUA, Israel e alguns países ocidentais, insultam o profeta Maomé, já que vão perdendo o confronto com a nação iraniana e as ondas do despertar islâmico", como o regime do Irã denomina os protestos nos países árabes.

"Sem dúvidas, o sol do Islã brilhará mais que as potências arrogantes (EUA e seus aliados) que enfrentam a religião divina. A vitória, no final, será da nação muçulmana", declarou.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página