Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
18/09/2012 - 11h53

Egito ordena prisão de coptas e pastor radical por filme anti-islã

Publicidade

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

A Promotoria-Geral do Egito pediu nesta terça-feira a prisão preventiva do pastor americano Terry Jones e sete cristãos coptas acusados de envolvimento no filme "A Inocência dos Muçulmanos".

O vídeo, que satiriza o profeta Maomé, provocou uma série de protestos violentos em mais de 30 países com população islâmica representativa desde a última terça (11), quando foi revelado.

Um dos coptas acusados é Nakoula Basseley, suspeito de ser o diretor do filme. Todos os imputados moram nos Estados Unidos.

O promotor-geral egípcio, Abdelmeguid Mahmoud, ordenou que eles sejam julgados no Tribunal Penal do Cairo, e pediu uma ordem de extradição à Interpol e aos Estados Unidos. A data da sessão não foi divulgada.

O pastor e os sete cristãos coptas foram acusados de blasfêmia ao islamismo e difundir informações falsas, além de cometer crimes que prejudicam a unidade nacional egípcia e sua independência.

AUTORES

Para a justiça egípcia, os cristãos, que são contrários ao governo de Mohammed Mursi, foram os responsáveis pelo filme, com a ajuda de Terry Jones.

O pastor evangélico é conhecido por promover a queima do Alcorão, o livro sagrado do islamism, em seus cultos desde 2010, no Estado da Flórida.

Além de Jones e de Nakoula Basseley, estão na lista o fundador da Associação Copta de Washington, Moris Sadeq, o coordenador de comunicação do grupo, Nabil Adib Bisada, e o apresentador de TV Morqos Aziz.

Se extraditados, julgados e condenados, eles poderão ser condenados por crimes que podem dar a pena de morte.

A decisão sai uma semana após o início dos protestos e seis dias depois de pedida a inclusão dos suspeitos na lista de pessoas procuradas pela Justiça egípcia.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página