EUA retêm US$ 255 milhões de ajuda a Paquistão; Trump ameaça palestinos

DAS AGÊNCIAS DE NOTÍCIAS

O governo de Donald Trump decidiu reter US$ 255 milhões de ajuda ao Paquistão por considerar que o país tem feito um "jogo duplo" com os EUA nos últimos anos.

O anúncio foi feito nesta terça (2) pela embaixadora americana na ONU, Nikki Haley, que criticou a falta de cooperação do país na luta contra o terrorismo.

Crédito: Asif Hassan/AFP Nacionalistas paquistanês queimam bandeira dos EUA em protestos contra Donald Trump em Karachi
Nacionalistas paquistanês queimam bandeira dos EUA em protestos contra Donald Trump em Karachi

"Há razões claras para isso [reter a ajuda]", disse Haley. "Eles trabalham conosco às vezes, mas também abrigam os terroristas que atacam nossas tropas no Afeganistão. Esse jogo não é aceitável."

Ainda nesta terça, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, disse que os EUA devem anunciar ações para pressionar o Paquistão nos próximos dois dias.

Trump já havia afirmado, em agosto, que não repassaria o valor ao Paquistão até que o país fizesse mais para enfraquecer os grupos terroristas na região. Nesta terça, Haley confirmou que os US$ 255 milhões não serão mesmo entregues. A ajuda dos EUA a Islamabad soma mais de US$ 33 bilhões desde 2002.

A decisão foi divulgada em meio a uma escalada de tensão entre os dois governos. Na segunda (1º), autoridades paquistanesas convocaram o embaixador americano no país, David Hale, para prestar esclarecimentos sobre declarações feitas por Trump horas antes.

Por meios oficiais, o presidente dos EUA disse que Islamabad fez os presidentes americanos de tolos nos últimos anos, dando apenas "mentiras e enganações" em troca do financiamento recebido. "Eles dão apoio aos terroristas que caçamos no Afeganistão, e nos ajudam pouco. Não mais!", escreveu.

O primeiro-ministro paquistanês, Shahid Khaqan Abbasi, reuniu nesta terça o Comitê de Segurança Nacional, formado por chefes militares e civis, para discutir a declaração de Trump. Ao final do encontro, o comitê se disse "profundamente decepcionado" com as críticas "incompreensíveis" dos EUA e afirmou que as declarações não correspondem aos fatos.

PALESTINOS

Horas após o anúncio dos cortes da ajuda ao Paquistão, Trump ameaçou, também em uma rede social, cortar os recursos a outros países e regiões e citou como exemplo a contribuição aos palestinos.

"Nós pagamos aos palestinos CENTENAS DE MILHÕES DE DÓLARES por ano e não recebemos nenhum agradecimento ou respeito. Eles nem sequer querem negociar um tão adiado acordo de paz com Israel", disse.

"Nós tiramos Jerusalém, a parte mais dura da negociação, fora da mesa, mas Israel, por causa disso, teria que pagar mais caro. Mas com os palestinos não querendo mais falar de paz, por que deveríamos continuar a fazer esses pagamentos gigantes a eles no futuro?"

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.