Embaixador dos EUA no Panamá anuncia renúncia

Crédito: Eliana Aponte-8.nov.2010/Reuters O embaixador dos EUA na Panamá, John Feeley, em foto de arquivo
O embaixador dos EUA na Panamá, John Feeley, em foto de arquivo

DA REUTERS

O embaixador dos EUA no Panamá, John Feeley, diplomata de carreira e ex-piloto do corpo de fuzileiros navais, renunciou ao cargo nesta sexta-feira (12), afirmando que não se sente mais apto a servir ao governo do presidente Donald Trump.

"Como um funcionário do serviço exterior iniciante, assinei um juramento para servir fielmente ao presidente e a seu governo de maneira apolítica, mesmo quando eu possa não concordar com certas políticas", disse Feeley, de acordo com um trecho de sua carta de renúncia lida à agência Reuters.

"Meus instrutores deixaram claro que se eu acreditasse que eu não poderia fazer isso, eu estaria forçado pela honra a renunciar. Este dia chegou."

Uma porta-voz do Departamento de Estado confirmou a saída de Feeley, que teria "informado a Casa Branca, o Departamento de Estado e o governo do Panamá sua decisão de se aposentar por motivos pessoais, a partir de 9 de março deste ano".

O sub-secretário de Estado Steve Goldstein afirmou que a saída de Feeley não era uma resposta ao fato de Trump ter usadoo termo "países de merda" para se referir ao Haiti e países africanos em uma reunião na quinta-feira. Após críticas internacionais, Trump negou o uso do termo.

Goldstein afirmou que tinha conhecimento da renúncia de Feeley com 24 horas de antecedência, antes da reunião de Trump, e que seu entendimento era que o embaixador renunciava por "motivos pessoais".

"Todo mundo tem uma linha que não cruzará", afirmou Goldstein. "Se o embaixador sentiu que não podia mais servir, então ele tomou a decisão certa, e nós a respeitamos."

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.