Ex-presidente da Geórgia é deportado da Ucrânia

Homens armados o levaram de um restaurante em Kiev para o aeroporto

Das agências de notícias

Mikheil Saakashvili, o ex-presidente da Geórgia e líder da oposição na Ucrânia, foi deportado para a Polônia, informaram autoridades ucranianas nesta segunda-feira (12).

Aliados de Saakashvilis disseram que homens armados usando máscaras o detiveram em um restaurante de Kiev e o levaram rapidamente para o aeroporto.

O ex-presidente da Geórgia Mikheil Saakashvili deixa o hotel em Kiev, na sexta-feira (9) - AFP

Oleh Slobodyan, porta-voz dos guardas da fronteira da Ucrânia, disse no Facebook que foi preciso fazer uso da força para conter apoiadores de Saakashvilis no aeroporto.

Slobodyan, ao confirmar a deportação, citou as decisões dos tribunais ucranianos que diziam que Saakashvili estava no país ilegalmente.

Saakashvili perdeu a cidadania ucraniana no ano passado, quando estava no exterior, mas forçou seu retorno à Ucrânia, desde a Polônia, em setembro. Desde então, ele liderou diversos protestos contra o presidente ucraniano, Petro Poroshenko.

Os guardas de fronteira da Polônia disseram em comunicado que Saakashvili foi admitido no território nesta segunda-feira, mediante um pedido das autoridades de imigração ucranianas.

Ele foi autorizado por ser cônjuge de uma cidadã da União Europeia, disseram as autoridades polonesas. A mulher dele é holandesa.

Após sua chegada à Polônia, Saakashvili disse que sua deportação mostrou a fraqueza de Poroshenko. Ele denunciou o presidente como um especulador que quer destruir a Ucrânia.

Em 2015, o presidente Poroshenko nomeou o ex-presidente georgiano como governador da importante região de Odesa, no Mar Negro.

Mas pouco depois as relações entre os dois entraram em crise e o governo de Kiev retirou o passaporte ucraniano de Saakashvili.

Associated Press

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.