Descrição de chapéu Coreia do Norte olimpíada

Para embaixador sul-coreano, diálogo com Norte deve incluir EUA

Lee Jeong-gwan diz que envio da irmã à Olimpíada prova que Kim Jong-un quer diálogo

O embaixador da Coreia do Sul no Brasil, Lee Jeong-gwan, em seu gabinete, na sede da embaixada em Brasília
O embaixador da Coreia do Sul no Brasil, Lee Jeong-gwan, em seu gabinete, na sede da embaixada em Brasília - Pedro Ladeira/Folhapress
Guilherme Magalhães
Brasília

É um horizonte otimista aquele enxergado pelo embaixador sul-coreano no Brasil no que se refere às relações entre as Coreias após a Olimpíada de Inverno, que começa nesta sexta-feira (9) em Pyeongchang, no Sul.

"Trata-se de um grande começo para resolver esse problema pacificamente", afirma Lee Jeong-gwan, 59, no posto desde maio de 2015.

Leia abaixo a entrevista que ele concedeu à Folha nesta quarta (7), em Brasília.

 

Como o sr. vê as conversas entre as duas Coreias para a participação do Norte na Olimpíada de Inverno?

Isso é muito importante porque, apesar de a comunidade internacional precisar continuar a pressionar e a aplicar sanções, eventualmente precisamos resolver essa questão pacificamente, não depender de meios militares. É um grande começo.

Quais as perspectivas de diálogo para depois dos Jogos?

Temos boas razões para crer que, mesmo após a Olimpíada, a intenção norte-coreana de resolver o problema na mesa de negociação continuará. O problema é se a outra parte, o lado americano, estaria disposto a ficar cara a cara com os norte-coreanos.

Já aconteceu no passado uma melhora nas relações seguida de outra piora. O que o sr. vê de diferente desta vez?

Eles [o Norte] mudaram a tática deles no que se refere às relações com os EUA. Concentram esforços em trazer os Estados Unidos para a mesa de negociação.

O que o sr. acha da presença da irmã de Kim Jong-un na comitiva da Olimpíada?

É uma demonstração clara da sinceridade de Kim  Jong-un, de que ele deseja resolver os problemas através do diálogo. Mas o problema fundamental permanece: os EUA só querem começar as negociações depois de o regime norte-coreano acabar com suas armas nucleares. Vai ser muito difícil, mas preciso dizer que não é impossível.

Na sua opinião, os EUA devem ser parte dessa negociação?

Claro, ao menos no que se refere à questão nuclear. A Coreia do Norte deixou muito claro que a razão pela qual eles vieram desenvolvendo armas nucleares é para se defender de um possível ataque americano.

Desde o ano passado, a política externa dos EUA tem sido mais imprevisível. Isso dificultou o processo?

Apesar das declarações do presidente Donald Trump, não acredito que a decisão de usar meios militares contra a Coreia do Norte poderia ser feita por um presidente individualmente, quanto mais em um país como os EUA. Um consenso precisa ser construído no governo americano.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.