Polícia recomenda indiciamento de premiê israelense por corrupção

Netanyahu é suspeito de receber presentes de bilionário e interferir em jornal

Jerusalém

A polícia recomendou o indiciamento do premiê israelense, Binyamin Netanyahu, em uma investigação de corrupção, relatou nesta terça-feira (13) a imprensa local.

O premiê israelense, Binyamin Netanyahu, durante reunião ministerial em Jerusalém no domingo (11)
O premiê israelense, Binyamin Netanyahu, durante reunião ministerial em Jerusalém no domingo (11) - Ronen Zvulun/Reuters

Netanyahu ainda não é formalmente acusado, mas a recomendação complica o premiê.

A polícia investiga há meses dois casos envolvendo o primeiro-ministro. Em um deles, que ficou conhecido como "Caso 1.000", Netanyahu teria recebido mais de US$ 100 mil em presentes do bilionário israelense Arnon Milchan, um dos maiores produtores de Hollywood. Entre os mimos estariam charutos, joias e bebidas para o premiê e sua mulher, Sara.

O "Caso 2.000" diz respeito a conversas que Netanyahu teria mantido com o publisher de um influente jornal israelense para pedir cobertura positiva do governo em troca de limitar a atuação de um veículo rival.

Netanyahu, que está no poder desde 2009, tem negado irregularidades e se descreve como vítima de uma "caça às bruxas" política.

Em um pronunciamento à TV israelense nesta terça, o premiê afirmou que a recomendação da polícia é "sem fundamento" e que "nada virá das investigações" contra ele.

Agora, o procurador-geral vai analisar a conclusão da polícia e decidir se acusa o premiê -- não há, contudo, prazo para fazê-lo.

Por lei, Netanyahu não precisa renunciar caso seja indiciado. Mas a pressão pública e precedentes podem levá-lo a isso.

Associated Press e Reuters
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.