Descrição de chapéu Binyamin Netanyahu

Polônia aprova lei que pune alusão a elo do país com Holocausto

País considera depreciativo o uso do termos como campos de extermínio poloneses

O Parlamento da Polônia aprovou nesta quinta-feira (1º) o projeto de lei que penaliza qualquer insinuação à cumplicidade do país com o Holocausto, que ocorreu em parte em seu território durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Entrada do campo de concentração de Auschwitz, na Polônia, com a frase: 'O trabalho liberta', em alemão; ao fundo, um homem atravessa a rua de acesso, cujas laterais próximas aos galpões estão cobertas de neve
Entrada do campo de concentração de Auschwitz, na Polônia, com a frase: 'O trabalho liberta' - Alik Keplicz - 26.jan.2015/Associated Press

O projeto, proposto pelo governo de direita nacionalista polonês, levou a uma crise diplomática com Israel —que o chama de antissemita— e críticas dos EUA e da União Europeia desde a aprovação inicial, na semana passada.

Os infratores serão condenados a 3 anos de prisão por menções ao termo campos de extermínio poloneses, visto pela Polônia como depreciativo por sugerir que o país teve alguma responsabilidade nas instalações nazistas.

Os campos foram construídos após a invasão nazista, em 1939. Temos que enviar um sinal claro para o mundo de que nós não vamos permitir que a Polônia continue a ser insultada, disse Patryk Jaki, vice-ministro de Justiça.

A lei deve precisa ser sancionada pelo presidente Andrzej  Duda, mas as críticas aumentaram. Os aliados do premiê de Israel, Binyamin Netanyahu, pressionam para que o país chame seu embaixador em Varsóvia para consultas.

Pouco antes, a porta-voz do Departamento de Estado, Heather Nauert, considera que algumas expressões sobre os campos são imprecisas e induzem ao erro, mas se disse preocupada com as consequências do projeto.

"Nos preocupa que esse projeto de lei, se for promulgado, afete a liberdade de expressão e o debate histórico."

Na Polônia ficam alguns dos principais campos de concentração do Holocausto, como os de Auschwitz e Varsóvia. Ao menos 6 milhões de poloneses, metade deles judeus, morreram durante o conflito.

Agências de notícias

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.