Temer quer distribuir refugiados venezuelanos para outros Estados

Presidente disse em Boa Vista que vai editar MP para ajuda federal a Roraima

Gustavo Uribe
Boa Vista

O presidente Michel Temer defendeu nesta segunda-feira (12) que os milhares de refugiados venezuelanos em Roraima sejam distribuídos em outras unidades da federação.

Em reunião em Boa Vista, ele afirmou que o grande fluxo de imigrantes tem causado problemas, mas que não impedirá a entrada dos estrangeiros.

Grupo de venezuelanos protesta contra xenofobia após dois atentados à comunidade em Boa Vista
Grupo de venezuelanos protesta contra xenofobia após dois atentados à comunidade em Boa Vista - Divulgação

A ideia do governo federal é fazer um censo dos refugiados e distribuí-los como foi feito com a entrada de haitianos no Acre, em 2015.

"O fluxo de venezuelanos cria problemas para Roraima e poderá se estender para outras Unidades da Federação se não tomarmos medidas de natureza federal. É necessário avaliar a possibilidade de conduzi-los a outros Estados, diversificando a entrada", disse.

O presidente ressaltou que os estrangeiros estão tirando empregos da população roraimense e prometeu que o problema será resolvido até o final de seu mandato.

"Em onze meses, vamos solucionar essa questão. Ninguém vai impedir os refugiados de virem para cá. Nós vamos ordenar a entrada", disse.

A viagem do presidente se resumiu à visita ao palácio governamental. Ele não visitou abrigos de refugiados e não foi à praça onde acampam os estrangeiros, como queriam autoridades locais.

Sem recursos

No encontro na sede do governo estadual, ele anunciou que na próxima quinta-feira (15) será editada uma medida provisória com ajuda federal para Roraima, que incluirá alimentos e remédios.

Segundo ele, as Forças Armadas coordenarão a ação federal. Questionado pela Folha, contudo, não detalhou qual será o montante repassado.

"Quanto seja necessário, nós vamos destinar", respondeu.

A expectativa é de que o Palácio do Planalto anuncie nesta semana a criação de um hospital de campanha e aumente o efetivo de militares na fronteira com a Venezuela. 

No encontro, o presidente ressaltou ainda que os refugiados são obrigados a deixar seu país porque "não há condições de vida" na Venezuela.

"Não viria aqui para fazer um palanque politiqueiro e a situação do Brasil é muito grave. Não tenho nenhuma preocupação de natureza eleitoral", disse.

No encontro, a governadora Suely Campos (PP) apresentou uma lista de pedidos para o presidente, como a obrigação de que os refugiados sejam vacinados na fronteira, aumento do efetivo da Polícia Federal e o aumento dos recursos para segurança pública.

Sem estrutura, Boa Vista acolhe hoje mais de 40 mil venezuelanos, que saturaram a rede de saúde pública. Após a entrada deles, cresceu o desemprego e a violência na cidade.

Os que não possuem ensino superior têm pedido esmola, vendido doces ou lavado para-brisas nos semáforos.

  Na avenida Venezuela, uma das mais movimentadas de Boa Vista, estrangeiros carregam placas se oferecendo para serviços de pedreiro e pintura.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.