Ultradireita domina 'fake news' nos EUA, diz pesquisa de Oxford

Grupo supera todas as outras vertentes juntas no compartilhamento de notícias falsas

Homem com capuz da Ku Klux Klan passa entre bandeiras confederadas durante manifestação supremacista em Charlottesville, nos EUA, em julho
Homem com capuz da Ku Klux Klan participa de manifestação supremacista em Charlottesville, nos EUA, em julho - Andrew Caballero-Reynolds - 8.jul.2018/AFP
Aliya Ram David Blood
Londres

Conservadores radicais compartilharam mais notícias falsas no Facebook que todos os outros grupos políticos juntos nos três meses anteriores ao discurso do presidente Donald Trump sobre o Estado da União, no mês passado, segundo pesquisadores independentes.

Acadêmicos do Instituto da Internet na Universidade de Oxford, no Reino Unido, analisaram as afiliações políticas e os padrões de postagem de quase 48 mil páginas públicas no Facebook e 14 mil usuários do Twitter para identificar que grupos postaram mais informação enganosa de sites duvidosos.

A análise, um dos estudos mais extensos já feitos sobre "fake news" nas redes sociais, provavelmente aumentará a pressão sobre as companhias tecnológicas para que ataquem a desinformação on-line, especialmente por causa de seu enfoque no âmbito da informação falsa.

Os pesquisadores descobriram que grupos nas duas extremidades do espectro político consumiram e compartilharam mais notícias-lixo no período entre outubro de 2017 e janeiro deste ano.

No entanto, os "conservadores radicais" de extrema-direita compartilharam mais informação enganosa, enquanto as contas que transmitiam hashtags a favor de Trump dominaram as postagens de notícias-lixo no Twitter.

"Há uma evidência crescente de aumento na polarização na paisagem noticiosa dos Estados Unidos em reação à eleição [presidencial] de 2016", concluem os pesquisadores.

"A confiança no noticiário é marcadamente dividida por linhas ideológicas, e um ecossistema de notícias alternativas está florescendo, alimentado por comentários extremistas, sensacionalistas, conspiratórios, mascarados, notícias falsas e outras formas de notícias-lixo."

Os pesquisadores usaram aprendizado por máquinas para identificar 13 grupos ideológicos, que classificaram em categorias que vão de "conservador radical" ao movimento "Ocupem" e "direitos das mulheres".

No Facebook, o grupo conservador radical compartilhou links para mais de 90% dos sites identificados pelos pesquisadores como fontes de "propaganda e informação política radical, hiperpartidária e conspiratória".

A pesquisa, que ainda não foi revisada por pares, revelou que diferentes grupos ideológicos estão profundamente polarizados. Os apoiadores de Trump eram os mais isolados no Twitter, compartilhando menos links para material que também era mencionado por outros grupos.

Segundo Lisa-Maria Neudert, uma das pesquisadoras de Oxford, as reportagens imprecisas compartilhadas antes do discurso de Trump sobre o Estado da União em 30 de janeiro incluem um artigo que disse que as vacinas contra gripe eram "a maior fraude médica na história do mundo". Outro afirmava que a União Europeia é baseada em ideologia "luciferiana".

O estudo também examinou se os grupos compartilhavam artigos que recaíam em pelo menos três de cinco categorias de "lixo", incluindo deixar de fornecer informação real sobre os autores, imitar organizações noticiosas reais ou compartilhar opiniões exageradamente partidárias.

As empresas de redes sociais há muito afirmam que seus negócios dependem de os usuários poderem compartilhar histórias sem censura. Entretanto, essa ideia foi questionada desde que se revelou que uma fazenda de trolls russa alcançou quase 150 milhões de usuários do Facebook antes da eleição presidencial americana em 2016.

Segundo pesquisa do Instituto Reuters, quase a metade dos usuários de redes sociais pesquisados nos EUA hoje usam o Facebook para obter notícias.

A pressão por ação regulatória contra as plataformas tecnológicas está aumentando em toda a Europa. No ano passado, a Alemanha adotou multas de até 50 milhões de euros para as companhias que não removerem discursos de ódio ou "fake news" em 24 horas após receber uma queixa.

Enquanto as companhias tecnológicas se movimentam para rebater as críticas, o Facebook revelou amplas mudanças em seu "feed" de notícias no mês passado, na tentativa de priorizar notícias de "alta qualidade" que sejam "confiáveis, informativas e locais".

"As pessoas querem ver informação precisa no Facebook —e nós também", disse a companhia. "Estamos alterando os incentivos econômicos porque sabemos que a maioria das notícias falsas tem motivação econômica."

Financial Times

Tradução de LUIZ ROBERTO MENDES GONÇALVES

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.