Atriz pornô detalha suposto encontro sexual com Donald Trump

Stormy Daniels, que processou presidente na terça, diz que ele não pediu sigilo sobre relação

A atriz pornô Stormy Daniels, cujo nome verdadeiro é Stephanie Clifford, posa para fotos após seu show de strip-tease em Nova York
A atriz pornô Stormy Daniels, cujo nome verdadeiro é Stephanie Clifford, posa para fotos após seu show de strip-tease em Nova York - Eduardo Munoz - 23.fev.2018/Reuters
Washington | Washington Post

O primeiro encontro deles foi em Lake Tahoe, em um torneio de golfe no verão de 2006. Ela disse que foi convidada para jantar. Quando chegou ao quarto de hotel dele, ficou claro que o homem não pretendia sair.

"Ele estava de pijama", contou Stormy Daniels à InTouch em 2011, descrevendo o que, segundo disse, foi um encontro sexual consentido com Donald Trump. Ele desmentiu o relato.

Daniels era uma estrela de filmes adultos. O reality show de Trump, "O Aprendiz", estava em declínio. Aquela noite casual —e a conexão supostamente criada entre um futuro presidente e uma estrela pornô modificou o rumo da vida de Daniels e ameaça alterar o curso da Presidência de Trump.

Dias antes da eleição em 2016, Daniels concordou em manter silêncio sobre o suposto encontro em troca de um pagamento de US$ 130 mil arranjado por Michael Cohen, antigo advogado de Trump, segundo documento apresentado ao tribunal.

Mas, nas últimas semanas, a história começou a vazar. Na semana passada, Cohen obteve uma ordem de um juiz de arbitragem proibindo Daniels de falar sobre o acordo. Em resposta, ela processou o presidente, alegando que Trump e Cohen tentaram forçá-la a se calar com um "acordo de silêncio" inválido.

Na quarta-feira (7), a secretária de imprensa da Casa Branca, Sarah Sanders, reiterou a negativa de Trump sobre o caso: "O presidente abordou essas [alegações] diretamente e deixou muito claro que nenhuma é verídica".

Voltando à noite em que tudo começou, Daniels lembrou que Trump nada disse sobre manter o encontro em segredo. "Ele não parecia preocupado com isso", disse à InTouch. "Cheguei a pensar: 'É realmente uma burrice dele'."

Na época, Trump estava casado com sua terceira mulher, Melania, havia um ano e meio. Seu filho Barron tinha cerca de 4 meses.

Algumas pessoas vão para Hollywood para iniciar carreira na TV; Trump tinha ido para relançar a dele. "O Aprendiz" o havia tornado famoso no mundo todo, mas, depois de cinco temporadas, a audiência estava caindo.

O programa tinha mudado de locação, da Trump Tower em Nova York para Beverly Hills, na Califórnia, como parte de uma reformulação.

Em julho de 2006, Trump viajou a Lake Tahoe para o American Century Championship, um torneio dominado por ex-atletas e astros da TV. Ele estava lá para jogar golfe. Daniels, para trabalhar.

A atriz, cujo verdadeiro nome é Stephanie Clifford, tinha 27 anos. Participara de mais de duas dúzias de filmes pornôs e começava a dirigir alguns. Ela disse à InTouch que uma empresa para a qual trabalhava fora paga para levar atrizes ao campeonato. Trump lhe ofereceu uma carona em seu carrinho de golfe.

'NÃO TENTE ME PAGAR'

Daniels afirmou que Trump a convidou para ir ao quarto dele e que ali conversaram durante algum tempo antes de fazer sexo. A atriz disse que se perguntou se ele a pagaria e que pensou consigo mesma: "Por favor, não tente me pagar".

"E então me lembro de pensar: 'Mas aposto que, se ele fizer isso, será um montão [de dinheiro]'", contou à InTouch.

Depois, segundo Daniels, Trump lhe disse que conseguiria uma participação para ela em "O Aprendiz". "Vou chamá-la, vou chamá-la. Preciso vê-la de novo. Você é incrível. Temos de pôr você no programa", teria dito.

Outra atriz da Wicked Pictures, Jessica Drake, também afirmou que Trump lhe fez propostas naquele fim de semana. Em uma entrevista coletiva em outubro de 2016, Drake disse que Trump a convidou e a outras duas mulheres para ir a sua suíte, onde o encontraram de pijama. Ele beijou as mulheres uma a uma, sem pedir permissão, relatou Drake.

Segundo ela, o grupo saiu da suíte de Trump, mas então um homem a chamou e lhe pediu para voltar sozinha. Quando ela recusou, disse Drake, foi chamada diretamente por Trump, que lhe pediu para ir à suíte para jantarem e fazerem uma festa. "O que você quer?", perguntou ele, de acordo com a atriz. "Quanto?"

Ela disse que, mais tarde, Trump ou um homem que telefonou em seu nome lhe ofereceu US$ 10 mil e o uso de seu jato particular se ela voltasse. Ela disse que recusou novamente.

Em reação às alegações de Drake, a campanha de Trump emitiu um comunicado chamando seu relato de "totalmente falso e ridículo".

Drake e sua advogada, Gloria Allred, não quiseram fazer comentários para esta reportagem.

Quanto a Daniels, ela disse que manteve contato com Trump e encontrou-se com ele várias outras vezes, embora nunca mais tenham feito sexo, segundo afirmou.

Em uma ocasião, ela lembra que o visitou no Beverly Hills Hotel, onde Trump assistia a "Shark Week" no Discovery Channel e lhe falou sobre seu medo de tubarões.

O relacionamento minguou, resumindo-se a telefonemas e encontros em festas, disse Daniels à InTouch, e então terminou totalmente por volta de 2009 ou 2010.

Ela nunca conseguiu um papel em "O Aprendiz".

"Ele me deu a notícia de que quase passei, mas alguém teve um problema e foi vetado e blablablá", disse à InTouch. "Eu disse: 'Eu lhe falei que você não ia conseguir'."

Nos anos seguintes, Daniels se dedicou à direção, tendo seu nome nos créditos de dezenas de filmes. Em 2009, pensou em se candidatar ao Senado em seu estado, a Louisiana, mas não foi adiante.

Em maio de 2011, Daniels deu a entrevista à InTouch. Mas ela não foi publicada na época. A revista não comentou por que a reportagem foi guardada. A agência Associated Press relatou que tinha falado com antigos funcionários da InTouch, que disseram que os advogados de Trump ameaçaram processá-la.

No entanto, a notícia sobre o suposto encontro apareceu em um site da web chamado The Dirty no final de 2011, provocando uma carta de "cessar e desistir" [de uma atividade, sob pena de processo] enviada por um advogado a Daniels.

Depois disso, silêncio.

FIM DO SILÊNCIO

Daniels disse que guardou segredo durante o início da campanha de Trump. Mas, nos meses anteriores à eleição, esteve em contato com repórteres, incluindo Jacob Weisberg, editor-chefe do grupo Slate, que queriam contar sua história.

A atriz tinha um advogado, Keith Davidson, que era conhecido por acordos de "pré-litígio", destinados a garantir que afirmações danosas não venham à tona, segundo pessoas que conhecem seu trabalho.

Cohen, o antigo advogado de Trump, apresentou a Davidson uma proposta de acordo. Ele ofereceu US$ 130 mil, segundo ela, em troca de seu acordo de manter silêncio novamente. (Cohen mais tarde admitiu que "facilitou" o pagamento, mas não quis dizer a que ele era referente.)

Daniels recebeu o dinheiro 11 dias antes da eleição. Então Trump venceu.

Apesar do acordo, a história veio a público nas últimas semanas.

Primeiro, o Wall Street Journal deu a notícia do pagamento feito a Daniels. Depois, a InTouch publicou sua entrevista de sete anos atrás com a estrela pornô, que embarcou em uma turnê por clubes de strip-tease de todo o país, capitalizando sua nova fama.

Mas pouco disse sobre o que realmente aconteceu naquele hotel em Lake Tahoe.

Então, nos últimos dias, duas coisas mudaram.

Cohen tentou levar Daniels a arbitragem na semana passada, afirmando que ela violara os termos do acordo de 2016.

Já o novo advogado de Danielsum experiente litigante chamado Michael Avenatti processou Trump na terça-feira (6), incluindo algumas afirmações de Daniels em documentos públicos no tribunal.

O processo expôs alguns detalhes de seu suposto encontro sexual com Trump e sustenta que o acordo que pretendia comprar o silêncio da atriz era nulo porque Trump não o havia assinado.

Lawrence Rosen, um advogado colega de Cohen, disse em um comunicado que pretende lutar no processo e continua "categoricamente refutando as afirmações feitas por Clifford e seu advogado".

O processo de Daniels sugere que ela tem mais a revelar. E levanta a pergunta: Trump sabia do acordo para comprar o silêncio de Daniels dias antes da eleição?

"Não que eu saiba", disse na quarta-feira (7) Sanders, a secretária de imprensa da Casa Branca.

Em uma entrevista, Avenatti disse acreditar que não há dúvidas de que Trump sabia. "Qualquer sugestão de que um advogado como Michael Cohen, com seu nível de educação e experiência, procuraria tal acordo, negociaria tal acordo, faria o pagamento e então seguiria nesta questão sem o conhecimento de seu cliente é absurda", disse Avenatti. "Como dizem lá no sul, esse cachorro não caça."

Frances Stead Sellers, Emma Brown e David A. Fahrenthold

Tradução de LUIZ ROBERTO MENDES GONÇALVES

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.