EUA estudam requerer dados de redes sociais de todos que pedirem visto

Medida ainda precisa ser aprovada por Escritório de Administração e Orçamento do governo

Homem protesta contra medidas migratórias do governo Trump em frente à embaixada dos EUA na Cidade do México
Homem protesta contra medidas migratórias do governo Trump em frente à embaixada dos EUA na Cidade do México - Alfredo Estrella - 5.mar.2018/AFP
Washington

O Departamento de Estado dos EUA publicou nesta sexta-feira (30) uma proposta para passar a coletar os dados de mídias sociais de quase todos que pedirem visto para entrar no país.

As novas regras, que ainda precisam ser aprovadas pelo Escritório de Administração e Orçamento do governo, tornariam obrigatório que todos pedindo visto de imigrante e de não-imigrante para os EUA revelassem suas identidades em mídias sociais usadas nos últimos cinco anos.

A informação seria usada para checar informações, segundo a proposta, e afetaria cerca de 14,7 milhões de pessoas por ano.

Anteriormente, segundo regras de maio de 2017, os agentes consulares eram instruídos a pedir dados de redes sociais apenas quando isso fosse necessário para uma checagem mais aprofundada, devido a possíveis ligações com terrorismo ou outras que impeçam a concessão de visto.

As regras passarão por período de comentários pelo público por 60 dias, antes de serem aprovadas ou rejeitadas pelo Escritório de Administração e Orçamento.

A proposta se insere na promessa do presidente Donald Trump de passar a fazer uma "checagem extrema" dos estrangeiros entrando nos EUA para prevenir ataques terroristas.

Se aprovadas, as novas regras também tornariam obrigatório que quem pede visto forneça os números de telefone e emails usados nos últimos cinco anos, além de seu histórico de viagens internacionais no período. Quem pede visto também terá que responder se foi deportado ou removido de algum país e se membros de sua família estão envolvidos em atividade terrorista.

Reuters
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.