Guerra civil na Síria completa sete anos; entenda causas e consequências

Conflito começou com protestos pacíficos e avançou para embate com ação indireta de potências

Em 15 de março de 2011, foi a primeira vez em que milhares de sírios foram às ruas para pedir mudanças no regime de Bashar al-Assad e a libertação de presos pela ditadura, em meio à Primavera Árabe, que já havia passado por Tunísia, Egito, Líbia, Bahrein e Iêmen.

No caso sírio, porém, as manifestações se transformaram em uma guerra civil com a participação indireta de diversas potências.

 

RESPOSTA VIOLENTA A PROTESTOS Durante 2011, o regime de Bashar al-Assad responde com violência a protestos em diversas cidades, que pediam reformas democráticas

Grupo de rebeldes das Brigadas al-Tawhid correm para tomar posições durante ataques das forças do regime ao bairro de Al-Amariya, em Aleppo, em 2012
Grupo de rebeldes das Brigadas al-Tawhid correm para tomar posições durante ataques das forças do regime ao bairro de Al-Amariya, em Aleppo, em 2012 - Javier Manzano - 13.nov.2012/AFP

ATAQUES COM ARMAS QUÍMICAS Dois ataques com gás sarin deixam centenas de mortos em 2013; EUA acusam o regime de Assad. Apesar de ameaças dos EUA e da ONU, outros ataques com armas químicas acontecem entre 2015 e 2018; tropas de Assad e rebeldes acusam um ao outro de ser responsável pelos ataques

PARTICIPAÇÃO DOS EUA Após Obama dizer em 2013 que Assad tinha cruzado a "linha vermelha" ao usar armas químicas, EUA aumentam o apoio militar aos rebeldes anti-Assad. Em 2014, forças dos EUA passam a bombardear alvos do Estado Islâmico; em 2015, soldados são enviados ao norte da Síria para apoiar os curdos que enfrentam o EI na região

ESTADO ISLÂMICO Facção se expande na Síria e declara em 2014 ter formado um "califado" que ia de Aleppo ao Iraque; em outubro, com domínios reduzidos a menos da metade, é expulsa de Raqqa, seu bastião

PARTICIPAÇÃO DA RÚSSIA Apoiadora do governo de Assad desde o início do conflito, a Rússia entrou na guerra diretamente em 2015, bombardeando rebeldes e dando apoio militar às forças de Assad, que começam a ter mais vitórias

Investigador paramilitar investiga naufrágio do qual o menino Alan Kurdi, 3, foi vítima ao tentar sair de Bodrum, na Turquia
Investigador paramilitar investiga naufrágio do qual o menino Alan Kurdi, 3, foi vítima ao tentar sair de Bodrum, na Turquia - Nilufer Demir - 2.set.2015/DHA/Associated Press

REFUGIADOS Em 2015, a foto do corpo do menino sírio Alan Kurdi, 3, que morreu no naufrágio do barco em que estava tentando chegar à Turquia, chamou a atenção para o drama dos refugiados da guerra civil

Homens carregam dois bebês e tentam sair dos escombros dos prédios de uma rua do bairro de Salihin, em Aleppo, em 2016
Homens carregam dois bebês e tentam sair dos escombros dos prédios de uma rua do bairro de Salihin, em Aleppo, em 2016 - Ameer Alhalbi - 11.set.2016/AFP

ALEPPO Confrontos entre rebeldes e tropas leais a Assad se espalham para Aleppo, segunda maior cidade da Síria, em 2012; após anos de enfrentamentos, forças do governo cercaram a cidade, levando à falta de comida e remédios para a população, e retomaram o controle em dezembro de 2016

 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.