Descrição de chapéu violência

Ex-juiz acusado de agredir a mulher apresenta atestado e adia depoimento

Caso levou Roberto Caldas a renunciar ao mandato na Corte Interamericana de Direitos Humanos

Roberto Caldas, ex-presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos, que é acusado de violência física por sua ex-mulher
Roberto Caldas, ex-presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos, que é acusado de violência física por sua ex-mulher - Andre Coelho - 16.mai.2018/Folhapress
Brasília

O ex-presidente da Corte Interamericana de Direitos Humanos Roberto Caldas apresentou nesta sexta-feira (18) atestado médico de dez dias e conseguiu adiar seu depoimento na Delegacia Especial de Atendimento à Mulher de Brasília.

Nem a polícia nem a assessoria de Caldas divulgaram o teor do atestado.

O ex-juiz da corte é suspeito de ter agredido a ex-mulher Michella Marys Santana Pereira e de ter ter cometido assédio sexual contra duas funcionárias domésticas.

A delegada Sandra Gomes Melo, que preside o inquérito, afirmou que vai remarcar o depoimento. Após a conclusão do trabalho da polícia, que pode ou não indiciar Caldas, o caso segue para análise do Ministério Público, a quem cabe decidir se haverá denúncia criminal à Justiça.

"Sou estudiosa do assunto e digo que o atual caso é um segundo marco. A lei Maria da Penha mostrou toda a cara dessa violência, tirou essa violência do abrigo das quatro paredes e mostrou que ela existe. Agora, 12 anos depois, nos deparamos com um caso como esse", afirmou a delegada.

Ela se refere ao fato de Caldas ter integrado instituição com atuação mundial de combate à violência contra a mulher e que foi responsável por recomendar ao Brasil, entre outras coisas, a aprovação da Lei Maria da Penha.

O advogado de Michella, Pedro Calmon, afirmou já ter reunido pelo menos seis testemunhas das supostas agressões físicas e verbais cometidas por Roberto Caldas.

Em entrevista à Folha, o ex-juiz negou agressões físicas para além de “empurrões”, reconheceu xingamentos e duas relações extraconjugais com ex-funcionárias, mas afirmou que a ex-mulher preparou armadilhas para incriminá-lo.

Michella procurou nas últimas semanas a polícia relatando agressões físicas e verbais contínuas. Em áudios de discussões gravados por ela, Caldas a chama de "cachorra" e "vagabunda", entre outros termos. Há ainda barulhos nos áudios que sugerem ter havido agressões. 

Em 2012, Caldas foi eleito para compor a corte sediada em San José, na Costa Rica. O advogado também integrou a Comissão de Ética Pública da Presidência da República de 2006 a 2012. Após o escândalo vir à tona, ele renunciou ao mandato e se afastou do escritório trabalhista em que atuava.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.