Descrição de chapéu Venezuela Nicolás Maduro

Presos políticos fazem motim em Caracas

Ação ocorre após um deles ser espancado por presos comuns

O estudante oposicionista Gregory Sanabria, supostamente espancado nesta quarta-feira (16) por agentes de segurança na prisão El Helicoide, em Caracas, onde o regime Nicolás Maduro mantém presos políticos - Divulgação/Folhapress
Fabiano Maisonnave
Caracas

Um grupo de presos políticos venezuelanos se rebelou nesta quarta-feira (16) após um deles ter sido espancado por detentos comuns, relataram políticos opositores e familiares.

O motim no presídio El Helicoide, administrado pelo Sebin, o serviço de inteligência criado pelo chavismo.

Segundo a oposição, o estudante Gregory Sanabria, preso nos protestos de 2014, foi agredido por detentos comuns. Em foto divulgada em redes sociais, ele aparece com o rosto bastante machucado.

Em vídeo gravado por celular, o prefeito cassado de San Cristóbal, Daniel Ceballos, em tom exaltado, acusou o governo de violar os direitos humanos dos presos políticos.

“Estamos decididos a resistir de qualquer forma, incluindo com nossas vidas, para que hoje se escute e se veja o que acontece nos calabouços da ditadura”, disse Ceballos, no cárcere desde 2014 por supostamente incentivar protestos violentos.

Em entrevista diante do presídio, Patricia Gutierréz, mulher de Ceballos e atual prefeita de San Cristóbal, acusou o Sebin de misturar presos comuns e políticos. Disse também que falta água e atendimento médico na unidade.

Em nota, a embaixada dos EUA exigiu do governo venezuelano a proteção física do cidadão norte-americano Joshua Holt, preso desde 2016 sob a acusação de conspirar contra o governo e de possuir armas de guerra.

Via rede social, o procurador-geral, Tarek William Saab, aliado do ditador Nicolás Maduro, disse que enviaria uma comissão para negociar com os presos.

Segundo a ONG Fórum Penal, há 338 presos políticos na Venezuela. No presídio El Helicoide, são 54 detentos, entre comuns e políticos. 

Ceballos, 34, é um dos presos políticos de mais alto perfil na Venezuela. Sua cidade, San Cristóbal, é a capital do estado de Táchira, um dos principais focos de oposição ao regime chavista.

O detento mais conhecido é Leopoldo López, que está em prisão domiciliar. Diante de sua casa, no leste de Caracas, há uma guarda permanente do Sebin. Ele está proibido de conceder entrevistas e de fazer pronunciamentos.

Pela manhã, algumas centenas de manifestantes realizaram um ato diante do escritório da OEA (Organização dos Estados Americanos). Ali, exigiram um pronunciamento contra a realização da eleição presidencial marcada para este domingo (20).

O protesto foi convocado pela MUD (Mesa da Unidade Democrática), coalizão de partidos oposicionistas que prega a abstenção. Entre seus líderes estão Henrique Capriles e López, ambos inelegíveis.

Ao contrário do ano passado, quando as marchas reuniram dezenas de milhares de pessoas entre abril e junho, a MUD não tem conseguido mobilizar multidões.

A maioria dos que participaram do protesto era militante de partidos inscritos na MUD, como o Vontade Popular (VP), de López. Portavam camisetas e bandeiras das agremiações. 

“Não há saída pela via eleitoral”, afirmou a militante do VP Minely Cardenas, 31.

“Depois da repressão do ano passado, a gente não sai de casa”, disse à Folha, durante o ato, o deputado oposicionista Stálin Gonzalez. Ele ganhou projeção ao liderar manifestações estudantis em 2007, as primeiras contra o chavismo.

Ao menos 121 pessoas morreram durante os protestos do ano passado, segundo o Ministério Público. Uma contagem paralela, do site Runrunes, eleva a cifra para 157 mortos.

Um dos poucos manifestantes sem camisa de partidos oposicionistas, o policial aposentado José Galindez, 70, justificou o baixo quórum com o argumento de que a população está desiludida. “Mas pouco a pouco voltará às ruas”, aposta.

Galindez disse que, apesar da posição da MUD pela abstenção, irá votar no domingo pelo dissidente chavista Henri Falcón, que rompeu com a coalizão oposicionista para se lançar candidato e aparece na frente na maioria das pesquisas de opinião.

“Grande parte das pessoas que conheço vai votar”, diz Galindez. “Se Maduro ganha, haverá uma explosão.”

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.