Justiça manda soltar garoto brasileiro separado da mãe na fronteira dos EUA

Criança passou 4 semanas em abrigo para menores em Chicago; advogado diz que entrada foi legal

Chicago | Reuters

Um juiz federal de Chicago determinou nesta quinta-feira (28) que um garoto brasileiro de 9 anos seja liberado do abrigo para menores para onde foi levado há quatro semanas, após ser separado da mãe. Eles foram apanhados ao tentar cruzar a fronteira do México com os EUA. 

Lidia Karine Souza, 29, foi solta de uma cadeia federal no Texas no último dia 9 e pediu asilo nos Estados Unidos. O magistrado Manish Shah decidiu que ela pode reaver a guarda do filho, Diogo.

Desde sua liberação, Souza vive com parentes nas redondezas de Boston. Na terça (26), recebera permissão para visitar o filho pela primeira vez desde que foram afastados.

Segundo Jesse Bless, advogado que representa a brasileira, mãe e filhos se apresentaram em 29 de maio no controle de fronteira com o México, foco da estratégia anti-imigração ilegal de Donald Trump. 

O advogado afirma que Souza entrou legalmente nos EUA, com autorização do Departamento de Segurança Doméstica. Depois, passou por uma verificação inicial para determinar se o pedido de asilo era válido. 

No dia 30, segundo o jornal New York Times, um agente disse que, como ela não havia se dirigido a um portão de entrada oficial, seu ingresso no país fora ilegal. 

Em 9 de junho, Souza foi liberada, sob compromisso de comparecer judicialmente para futuros procedimentos.

Na quarta-feira passada (20), em meio a fortes críticas domésticas e internacionais, Trump assinou uma ordem executiva para manter as famílias unidas

Quase uma semana depois, no dia 26, um juiz da Califórnia proibiu o governo federal de separar parentes que chegam juntos à fronteira e estabeleceu prazo de até um mês para os que já foram separados se reencontrem. 

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.