Após assassinato de brasileira na Nicarágua, Brasília convoca embaixadores

Governo quer explicações das circunstâncias da morte da estudante, metralhada em Manágua

Close de homem usando uma máscara de borracha e uma bandeira da Nicarágua como lenço no pescoço
Estudante protesta pela renúncia de Daniel Ortega na Nicarágua - Marvin Recinos/AFP
Talita Fernandes
Brasília

O governo brasileiro convocou nesta terça-feira (24) a embaixadora da Nicarágua no Brasil, Lorena Martinez, para que ela preste esclarecimentos sobre o contexto em que se deu o assassinato de uma estudante brasileira no país.

A estudante de medicina brasileira Raynéia Gabrielle Lima
A estudante de medicina brasileira Raynéia Gabrielle Lima, morta na Nicarágua ORG XMIT: OcgIJQES7uT6tVLu6_sW - Reprodução/Facebook

Raynéia Gabrielle Lima, 31, foi atingida por disparos na noite de segunda (23), em meio à convulsão social que tomou conta de Manágua, capital do país da América Central. 

De acordo com o Ministério de Relações Exteriores, Martinez esteve na tarde desta terça no Palácio do Itamaraty, em Brasília, mas o governo ainda espera informações sobre a morte da brasileira e sobre a situação de violência pela qual passa o país. 

O ministro Aloysio Nunes também pediu nesta terça que o embaixador brasileiro na Nicarágua, Luís Cláudio Villafañe, venha ao Brasil para relatar a situação. Ainda não há previsão para a chegada de Villafañe em Brasília.

Em diplomacia, a convocação da embaixadora nicaraguense e o pedido para que o representante brasileiro retorne são um primeiro sinal de atrito entre os dois países.

Nunes tomou a decisão durante sua viagem a Joanesburgo, na África do Sul, onde participará da Cúpula dos Brics ao lado do presidente Michel Temer no final desta semana.

 

Mais cedo, o governo brasileiro cobrou explicações do governo de Daniel Ortega.

“Nós estamos cobrando do governo nicaraguense a apuração das responsabilidades pelo ocorrido e estamos também mobilizados para dar apoio à família e lidar com essa situação trágica que ocorreu hoje na Nicarágua”, afirmou Marcos Galvão, o número 2 do Itamaraty, em viagem ao México.

A Nicarágua vive desde abril uma onda de protestos pela saída de Ortega, os quais têm sido violentamente reprimidos, segundo organizações internacionais presentes no país.

​Desde o início das manifestações, Manágua vive um toque de recolher informal após as 19h, em meio a vários relatos de pessoas assassinadas ou sequestradas por policiais e paramilitares do regime de Ortega.

O governo respondeu com violência aos manifestantes e ao menos 360 pessoas já foram mortas, a maior parte civis.

Ortega nega ter ligação com os grupos paramilitares que são acusados de serem os responsáveis pela maioria das mortes, apesar deles usarem bandeiras do partido do presidente, a Frente Sandinista de Libertação Nacional. Ele afirma que não pretende renunciar e que quer permanecer no cargo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.