Trump questiona por que Obama não agiu a respeito de suposta interferência russa

"Por que eles não fizeram algo sobre isso?", escreveu o presidente em rede social

Glasgow e Turnberry | Reuters, AFP e The New York Times

Em seu luxuoso campo de golfe Turnberry Trump, na Escócia, o presidente dos EUA, Donald Trump, atacou neste sábado (14) a atuação de seu antecessor, Barack Obama, no caso do ataque hacker russo a democratas, em 2016.

Trump viajou para a Escócia, acompanha da primeira-dama, Melania, para agenda privada após ter se encontrado com a rainha Elizabeth 2ª, no Castelo de Windsor. 

Em um momento considerado uma gafe no trato com a realeza, o presidente caminhou por alguns segundos diante da monarca de 92 anos. Trump para, cortando o caminho da rainha, que é forçada a desviar e parar a seu lado.

Em Turnberry, o líder americano acenou para os manifestantes, que cantavam “Trump não” em uma praia a alguns metros do campo de golfe. Ele pareceu dizer algo ao grupo, que vaiou. Protestos nas cidades de Edimburgo e Glasgow reuniram centenas de pessoas.

Enquanto Trump se preparava para jogar, um ativista do grupo ambientalista Greenpeace sobrevoou o local de parapente. A polícia britânica disse estar tentando identificar o ativista.

Nas redes sociais, Trump questionou por que o governo Obama não tomou medidas a respeito das alegações de interferência russa na eleição presidencial dos EUA em 2016. 

Na sexta-feira (13), o Departamento de Justiça dos EUA denunciou 12 agentes de inteligência russos, sob acusação de promoverem um ataque hacker aos computadores do Partido Democrata e da campanha de Hillary Clinton durante as eleições. A denúncia ocorre dias antes de encontro entre Trump e o presidente russo, Vladimir Putin, em Helsinque (Finlândia).

“As histórias que você ouviu sobre os 12 russos ocorreram durante o governo Obama, não no governo Trump”, escreveu. “Por que eles não fizeram algo sobre isso, especialmente quando foi relatado que o presidente Obama foi informado pelo FBI em setembro, antes das eleições?”.

Segundo a denúncia do Departamento de Justiça dos EUA, os 12 russos trabalhavam para o GRU, o departamento central de inteligência do governo de Vladimir Putin. O objetivo era interferir nas eleições americanas. 

O Departamento de Justiça, porém, destaca que não há notícia de que os crimes tenham alterado o resultado das eleições, tampouco de que algum cidadão americano tenha se envolvido ou soubesse da conspiração russa. 

Trump diz que a investigação é uma “caça às bruxas”.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.