Sem acordo por refugiados, Itália ameaça cortar verba da União Europeia

Roma quer que outros países do bloco recebam imigrantes em barco na sua costa

Roma | Reuters

O vice-primeiro-ministro da Itália, Luigi Di Maio, disse nesta quinta-feira (23) que o país irá cortar a verba  anual que envia a União Europeia caso a questão da imigração não seja resolvida.

Ele, que também é o líder da sigla governista Movimento 5 Estrelas, afirmou que vai defender no Parlamento italiano a suspensão dos pagamentos se nenhum outro país do continente aceitar receber os imigrantes que estão no barco Diciotti, que está em Catânia, na Sicília.

Imigrantes aguardam dentro do barco Diciotti, da guarda costeira italiana, por uma definição de onde vão poder desembarcar
Imigrantes aguardam dentro do barco Diciotti, da guarda costeira italiana, por uma definição de onde vão poder desembarcar - Giovanni Isolino /AFP

“Se amanhã nada for decidido do encontro da Comissão Europeia sobre a redistribuição dos migrantes do Diciotti, o 5 Estrelas e eu não iremos dar 20 bilhões de euros [R$ 95 bilhões] por ano para a UE”, disse ele.  

A Comissão Europeia disse que está trabalhando para achar algum país para receber os cerca de 150 migrantes que estão há três dias no barco à espera de uma solução para o impasse.

O grupo cruzou o mar Mediterrâneo e ao chegar próximo a costa da Sicília foi resgatado há três dias pelo Diciotti, embarcação da guarda costeira italiana. Eles foram então levados ao porto de Catânia, mas não podem desembarcar e aguardam no próprio barco enquanto a negociação segue. 

O governo italiano, formado por uma coalizão entre o 5 estrelas e o partido nacionalista Liga, tem se recusado a receber barcos de imigrantes e tem defendido que outros países do bloco ajudem a resolver a questão dos refugiados. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.