Após matar 64 nas Filipinas, tufão chega a Hong Kong, Macau e sul da China

Ventos do Mangkhut já deixam vítimas chinesas e forçam fechamento de cassinos pela primeira vez

HONG KONG

O tufão Mangkhut atingiu o sul da China neste domingo (16), matando quatro pessoas após atacar as Filipinas com fortes ventos e fortes chuvas que deixaram pelo menos 64 mortos e dezenas desaparecidos após uma série de deslizamentos de terra.

Mais de 2,4 milhões de pessoas foram evacuadas na província de Guangdong, sul da China, para fugir do tufão e quase 50 mil barcos de pesca foram chamados de volta ao porto, informou a mídia estatal.

A emissora RTHK de Hong Kong citou especialistas dizendo que o Mangkhut deve ser o mais forte tufão a atingir a cidade em décadas. Em Guangdong, a tempestade matou duas pessoas e provocou tempestades de até 3 metros (10 pés), informou a emissora estatal CCTV.

Quinze pessoas ficaram feridas em Macau, que fechou os cassinos pela primeira vez. O Observatório de Hong Kong alertou as pessoas para ficarem longe do ponto de referência do porto de Vitória, atingido por fortes tempestades.

Na manhã deste domingo o tufão atingiu ventos de 190 km/h. 

Centenas de voos foram cancelados na região e todos os serviços de trem foram suspensos. 

TRAGÉDIA NAS FILIPINAS

O maior tufão a atingir as Filipinas neste ano chegou à costa antes do amanhecer do sábado na província de Cagayan, na ponta nordeste da ilha de Luzon, uma região de planícies de arroz e províncias montanhosas com histórico de deslizamentos.

Os ventos chegaram a 250 km/h e as chuvas fortes provocaram deslizamentos de terra e destruíram muitas casas.

A situação fez com que China e Filipinas concordassem em adiar a visita da ministra das Relações Exteriores da China, Wang Yi, que começaria neste domingo (16), levando em conta que o tufão provocou o cancelamento de cerca de 150 voos e interrompeu viagens marítimas.

Mangkhut é a 15ª tempestade forte a atingir as Filipinas neste ano.

Em 2013, o tufão Haiyan deixou mais de 7.300 pessoas mortas ou desaparecidas, destruiu aldeias, varreu os navios para o interior e deslocou mais de 5 milhões na região central das Filipinas.

Associated Press
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.