Descrição de chapéu Venezuela

Ministro da Defesa do Brasil discute migração com colega venezuelano

Joaquim Silva e Luna foi ao país a convite de Caracas, que nega crise e pede ajuda em repatriação

Caracas e São Paulo

O ministro da Defesa brasileiro, Joaquim Silva e Luna, foi recebido nesta terça-feira (11) pelo colega venezuelano, Vladimir Padrino López, para discutir a tensão na fronteira devido à migração de cidadãos do país vizinho.

O surpreendente encontro em Puerto Ordaz acontece após dois anos de críticas de Nicolás Maduro ao presidente Michel Temer, chamado pelo ditador de ilegítimo por considerar o impeachment de Dilma Rousseff um golpe.

Padrino López disse ter comentado com Silva e Luna os casos de violência em Roraima, como o confronto depois de um roubo que levou à morte de um brasileiro e um venezuelano em Boa Vista na semana passada. Também pediu ajuda ao Brasil para a facilitar a repatriação.

“A Venezuela não é um país com vocação migratória para o Brasil. Seu movimento migratório é por razões que têm uma causa: a guerra econômica (...) para derrotar um governo legítimo”, declarou o ministro venezuelano.

No mesmo encontro, transmitido pela TV estatal, Silva disse se tratar de “uma reunião de trabalho e camaradagem para tratar temas referentes à defesa (...) e elevar o nível das relações entre nossas Forças Armadas”.

O regime venezuelano nega a existência de uma crise humanitária que tenha provocado o fluxo migratório —de 1,6 milhão de pessoas desde 2015—, assim como considera que o êxodo aconteceu de forma voluntária.

Depois do confronto em Boa Vista, mais de 1.000 venezuelanos retornaram a seu país, em operação coordenada por Caracas. Segundo o ministro venezuelano, outras 1.300 pessoas também voltaram de Roraima.

Segundo o IBGE, mais de 30 mil venezuelanos moram no estado, de 576 mil habitantes. Antes da série de ataques, o governo local havia pedido o fechamento da fronteira, mas as solicitações foram rejeitadas pela Justiça.

AFP
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.