Papa retira do sacerdócio principal acusado de abusos no Chile

Fernando Karadima deixa de ser padre e se torna leigo

Vaticano | Reuters, Associated Press e AFP

O Vaticano anunciou nesta sexta-feira (28) que o papa Francisco "demitiu do estado clerical" Fernando Karadima, 88, um dos principais acusados de abusos sexuais no Chile.

Isso significa que Karadima deixa de ser padre e se torna leigo, e não pode mais cumprir nenhuma função clerical, como rezar missas e ouvir confissões.

"O papa Francisco demitiu da função clerical Fernando Karadima Fariña, da arquidiocese de Santiago do Chile. O Santo Padre tomou esta decisão excepcional de forma consciente e pelo bem da Igreja", informa o comunicado do Vaticano.

O padre chileno Fernando Karadima (centro) é cercado pela imprensa ao deixar a Suprema Corte em Santiago, no Chile - Carlos Vera - 11.nov.15/Reuters

O decreto foi assinado por Francisco na quinta-feira (27). Karadima, que supostamente vive em um asilo em Santiago, foi informado nesta sexta.

Karadima foi considerado culpado de abusar de meninos durante vários anos, em uma investigação conduzida pelo Vaticano em 2011. Ele havia sido condenado a viver uma vida de "orações e penitência".

Agora, a sentença anterior foi revogada.

Sete bispos chilenos renunciaram desde junho após uma investigação sobre o acobertamento dos abusos cometidos por Karadima. 

"A destituição do estado clerical é mais um passo na linha dura do papa Francisco ante os abusos", afirmou o porta-voz do Vaticano, Greg Burke.

"Estávamos ante um caso muito sério de podridão e era necessário arrancá-lo pela raiz", acrescentou. "Trata-se de uma medida excepcional, sem dúvida, mas os graves delitos de Karadima causaram um dano excepcional no Chile."

O caso dos abusos sexuais cometidos por Karadima é um dos mais emblemáticos do Chile por causa da influência dele dentro da igreja.

Na paróquia de El Bosque, localizada em um bairro afluente da capital chilena, que dirigiu de 1980 a 2006, Karadima forjou ao longo dos anos fortes laços com setores da elite política e econômica do Chile.

"O pedófilo Karadima expulso do sacerdócio. Eu nunca pensei que veria esse dia. Um homem que arruinou a vida de tantas pessoas. Agradeço que o papa Francisco @Pontifex_es tenha tomado esta decisão finalmente. Espero que muitos sobreviventes sintam um leve alívio hoje", tuitou Juan Carlos Cruz, uma das três vítimas recebidas pelo papa em abril passado.

"Além do simbólico, do reparador que pode ser para as pessoas que sofreram os abusos, tem um toque de esperança muito forte que estejam sendo criados ambientes mais seguros para os jovens e crianças e que estas coisas não passem ao futuro", comentou no Chile Juan Carlos Hermosilla, advogado das vítimas de Karadima. ​

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.