Descrição de chapéu Eleições 2018

Presidenciáveis divergem em relação à crise na Venezuela

Bolsonaro é único a defender sanções e eventual intervenção; PT resiste a criticar Maduro

Manifestantes carregam cartazes. Duas mulheres seguram uma bandeira venezuelana escorada em uma grade.
Venezuelanos protestam contra o ditador venezuelano, Nicolás Maduro, em frente à sede da ONU nesta quinta-feira (27) - Jim Watson - 27.set.18/AFP
Patrícia Campos Mello
São Paulo

Os presidenciáveis divergem em relação à melhor maneira para lidar com a crise política e humanitária na Venezuela, que será uma questão incontornável para o próximo governante brasileiro.

O único candidato que defende sanções contra a ditadura de Nicolás Maduro e, eventualmente, alguma intervenção no país é Jair Bolsonaro (PSL).

"Vocês podem contar comigo, eu farei o que for possível para aquele governo lá ser destituído", disse Bolsonaro a venezuelanos em Roraima, em abril deste ano.

Bolsonaro acredita que as sanções seriam uma forma eficiente de forçar o governo Maduro a negociar.

Mas, apesar de pressões dos EUA, o Brasil se recusa, historicamente, a impor sanções que não sejam decididas em foros multilaterais como o Conselho de Segurança das Nações Unidas.

O PT ainda resiste a criticar o regime de Maduro e a afirmar que não há democracia na Venezuela. No ano passado, logo após a criação da Assembleia Constituinte que esvaziou os poderes do Legislativo venezuelano, a presidente do PT, Gleisi Hoffmann, se recusou a dizer que a Venezuela era uma ditadura.

"(Precisamos) dar apoio e solidariedade ao governo do PSUV [Partido Socialista Unido da Venezuela], seus aliados e ao presidente Maduro frente à violenta ofensiva da direita", disse Gleisi.

Celso Amorim, ministro das Relações Exteriores no governo Lula e um dos autores do programa de Fernando Haddad (PT), afirma que discutir se trata-se ou não de uma democracia é contraproducente.

"A Venezuela precisa de diálogo, não de pressão e isolamento", diz. "O presidente [Barack] Obama, quando se reaproximou de Cuba, também não ficou discutindo se o país era ou não uma democracia."

Haddad apresenta uma posição mais moderada. "Quando você está em conflito aberto, como está lá, não pode caracterizar como uma democracia", disse o petista em agosto, respondendo se a Venezuela e a Nicarágua poderiam ser consideradas democracias. Haddad reluta, no entanto, em criticar o regime de Maduro. "Os governos do PT nunca tomaram partido quando há conflito aberto ou não em países da região. E eu acho essa posição correta do ponto de vista da diplomacia."

O candidato do PDT, Ciro Gomes, afirma que a Venezuela é uma democracia. "Venezuela é uma democracia tão democrática quanto a brasileira e a americana", disse, em entrevista em junho.

Ele afirmou não gostar do regime, nem apoiá-lo, mas disse que o Brasil não pode se intrometer nos assuntos domésticos dos países vizinhos. "Nosso papel é mediar o conflito antes que ele descambe para uma guerra civil."

O candidato tucano, Geraldo Alckmin, acredita que a Venezuela é uma ditadura, mas é contra qualquer tipo de intervenção militar no país, como chegou a ser defendido pelo presidente americano, Donald Trump, e pelo secretário-geral da OEA, Luis Almagro.

"Defendemos o restabelecimento dos canais de comunicação com o governo Maduro", disse Rubens Barbosa, formulador de política externa do PSDB.

Para Marina Silva (Rede), o que está acontecendo na Venezuela não é nem legítimo nem democrático. "A eleição [presidencial, em maio] foi viciada e antidemocrática; não há democracia em um país onde a oposição está presa ou teve que ir embora", disse, em julho.

Ela alfinetou os governos do PT. "Quando a gente tem princípios, não pode abrir mão deles por alinhamentos ideológicos; os governos Dilma e Lula negligenciaram essa situação."

Ela se opõe, no entanto, a sanções e intervenções no país.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.