Descrição de chapéu Governo Trump

Pacotes suspeitos são enviados para Hillary, Obama e outros democratas

Incidente ocorre menos de duas semanas antes das eleições legislativas nos EUA

Explosivo enviado para a rede CNN, em Nova York
Explosivo enviado para a rede CNN, em Nova York - CNN/Reprodução/Twitter
Danielle Brant
Nova York

Uma série de pacotes contendo artefatos explosivos endereçados a adversários políticos do presidente Donald Trump foi explorado por democratas para angariar votos nas eleições de novembro.

Os objetos, bombas improvisadas feitas de um tubo preenchido com explosivos, começaram a ser enviados a rivais do republicano na segunda-feira (22). O primeiro a acusar o recebimento de um pacote foi o bilionário George Soros, grande doador do Partido Democrata.

Na noite de terça (23), outro explosivo foi interceptado pelo Serviço Secreto na casa do ex-presidente Bill Clinton e da ex-secretária de Estado Hillary Clinton em Chappaqua, Nova York.

A ex-senadora, derrotada por Trump nas eleições presidenciais de 2016, estava na Flórida ajudando na campanha democrata, mas o marido estava em casa.

Nesta quarta, o caso ganhou novas dimensões, à medida em que informações, algumas posteriormente desmentidas, começaram a aparecer.

No campo das confirmações: um explosivo foi interceptado no escritório do ex-presidente Barack Obama, em Washington; um objeto endereçado a Eric Holder, ex-secretário de Justiça na administração do democrata, retornou ao escritório da congressista Debbie Wasserman Schultz, que foi esvaziado, e dois artefatos foram enviados à democrata Maxine Waters —um foi interceptado no centro de triagem do Congresso e outro em uma unidade postal em Los Angeles.

As bombas teriam pó e pedaços de vidro dentro do tubo, segundo um membro da investigação ouvido pela agência Associated Press. Ele afirmou ainda que os dispositivos tinham uma bateria pequena, semelhante à de um relógio. Não há confirmação de que o pó seja explosivo.

A emissora CNN, que pertence ao grupo chamado por Trump de "mídia fake news" e de inimigo do povo americano, também recebeu uma das bombas artesanais. No meio do pacote enviado à redação da TV, no centro de Manhattan, que foi esvaziada, foi encontrado um envelope com um pó branco.

O material foi endereçado a John Brennan, ex-diretor da CIA (agência de inteligência) que atuou no governo Obama e teve a autorização de segurança —que permite acesso a informações confidenciais— revogada por Trump.

No campo dos desmentidos: a Casa Branca não recebeu artefato suspeito; o pacote que chegou ao escritório do governador de Nova York, Andrew Cuomo, era inofensivo, assim como o avistado no prédio do jornal The San Diego Union-Tribune, onde também fica o escritório da senadora democrata Kamala Harris.

Fora isso, poucas certezas. O FBI (polícia federal americana) emitiu comunicado em que afirma que os artefatos endereçados a Obama, Hillary, Holder e Brennan, na CNN, são semelhantes ao descoberto na casa de Soros. Todos tinham como endereço de remetente o escritório da democrata Debbie Wasserman Schultz, na Flórida.

Algumas dúvidas persistem, uma das principais sendo se os alvos dos artefatos explosivos foram escolhidos por serem figuras políticas vilanizadas pela direita e, mais especificamente, pelo presidente Donald Trump.

Há poucos elementos concretos que permitem a conclusão, mas isso não impediu democratas de tentar construir uma narrativa em que associam a retórica inflamada de Trump ao episódio.

A 12 dias das eleições em que esperam reaver o controle da Câmara dos Deputados e do Senado, a tentativa democrata de capitalizar em cima do episódio veio a jato.

Na Flórida, Hillary Clinton criticou as divisões no país e pediu votos para eleger políticos que possam mudar o atual cenário. "É um tempo perturbador, não é? E é um tempo de profundas divisões, e nós temos que fazer tudo o que pudermos para unificar nosso país", disse.

Em Nova York, o prefeito Bill de Blasio e o governador Andrew Cuomo, ambos democratas, exibiram um discurso afinado. Ambos qualificaram o envio dos pacotes como terrorismo.

"É um tempo muito doloroso em nosso país. É um tempo em que as pessoas estão sentindo muito ódio no ar. Incidentes como esse exacerbam essa dor, e exacerbam o medo", afirmou o prefeito.

Cuomo foi na mesma linha. O político, que busca um terceiro mandato, tem se apresentado com um dos mais combativos adversários de Trump, embora oficialmente descarte intenção de disputar a Casa Branca em 2020.

Depois do pronunciamento ao lado de De Blasio, ele disse: "eu quero diminuir a temperatura. Eu quero diminuir o rancor. Pelo bem de todos, presidente, Senado, Congresso, governadores, diminuam a retórica", disse.

A CNN, outro dos alvos preferidos de Trump, também se apressou a criticar o republicano. "Há uma falta de compreensão total e completa na Casa Branca sobre a seriedade de seus contínuos ataques à imprensa", afirmou, em mensagem, Jeff Zucker, presidente da CNN Worldwide.

"O presidente, e especialmente a secretária de Imprensa da Casa Branca [Sarah Sanders], deveriam entender que suas palavras importam. Até agora, eles não mostraram nenhuma compreensão disso."

O presidente Donald Trump levou algumas horas para se manifestar publicamente. No início da tarde, ele fez um discurso no qual pediu união. Em evento na Casa Branca sobre opioides, Trump defendeu investigação sobre a origem dos artefatos explosivos.

"Eu só quero dizer a vocês que nesses tempos nós temos de nos unir, nós temos que nos juntar e enviar uma mensagem clara, forte e inconfundível de que atos ou ameaças de violência política de qualquer tipo não têm lugar nos Estados Unidos", disse.

O republicano afirmou que toda estrutura do governo seria empregada para investigar pacotes e que "os responsáveis por esses atos deploráveis seriam levados à Justiça." "A segurança do povo americano é muita maior e mais absoluta prioridade."

Já a Casa Branca foi mais rápida em condenar os episódios. A porta-voz, Sarah Sanders, criticou a "tentativa de ataques violentos" e qualificou os atos de "deploráveis".

Em evento de campanha à noite, porém, Trump disse que quem participa da política deve parar de tratar opositores como moralmente defeituosos, fazendo referência a escraches a líderes conservadores em espaços públicos.

E acrescentou: “A mídia também deve ser responsável por manter um tom cortês e parar sua hostilidade sem fim e reportagens e ataques constantemente negativos e regularmente falsos”.

Para Robert Shapiro, professor da Universidade Columbia, a reação da Casa Branca demonstra que os republicanos têm ciência de que o caso pode prejudicar a intenção de manter o controle nas duas Casas do Congresso. 

"É um problema para Trump e os republicanos, que poderiam ser acusados de criarem um clima político que pode ter levado a essas tentativas de enviar bombas", afirma.

"Mesmo ele disse que o país precisa se unir e se opôs ao episódio de uma maneira muito forte. O fato de terem respondido tão rapidamente sugere que é uma preocupação para eles e que pode ter um efeito adverso nas eleições", afirma.

Shapiro também não descarta que, assim como democratas construíram uma narrativa indicando serem alvos de alguém inflamado pela retórica do presidente, os republicanos lancem mão de teorias que os favoreçam.

"Eles podem dizer que é uma conspiração democrata e que as bombas estão sendo plantadas não pela direita, mas pela esquerda." 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.