Arriaga (México) | Associated Press

Milhares de imigrantes da América Central recusaram a oferta mexicana de benefícios e solicitaram o status de refugiados e ficaram nos dois estados mais ao sul do país, prometendo partir antes do amanhecer deste sábado (27) para continuar sua longa jornada rumo à fronteira dos EUA.

O presidente mexicano Enrique Peña Nieto anunciou o que chamou de plano "Você está em casa", oferecendo abrigo, atenção médica, educação e empregos para os centro-americanos nos estados de Chiapas e Oaxaca se eles se candidatassem, chamando-o de primeiro passo para o status de refugiados permanente. Autoridades disseram que mais de 1.700 já solicitaram o status.

“Sabemos que você procura uma oportunidade e quer construir um novo lar e um futuro melhor para sua família e seus entes queridos”, disse Peña Nieto. 

Mas depois de um dos dias mais longos da caravana a pé ou pendurados em caminhões que passavam, a maior parte dos migrantes estava agitada na noite de sexta-feira (26) em sua recusa em aceitar qualquer oferta a não ser uma passagem segura para a fronteira dos EUA.

"Obrigado!" eles gritaram ao rejeitar a oferta em um show na cidade de Arriaga, no sul do México. "Não, estamos indo para o norte!", acrescentaram.

Sentado na beira da praça da cidade, Oscar Sosa, 58, de San Pedro Sula, Honduras, concordou.

"Nosso objetivo não é permanecer no México", disse Sosa. "Nosso objetivo é chegar aos EUA. Queremos a passagem, isso é tudo."

Imigrantes viajam pendurados em caminhões na cidade de Arriaga, no estado mexicano de Chiapas - Jesús Alvarado Rodríguez/Xinhua

A 1.600 quilômetros da fronteira norte-americana mais próxima, em McAllen, no estado do Texas, a jornada pode ser duas vezes mais longa se o grupo se dirigir à fronteira entre Tijuana e San Diego, como outra caravana fez no início deste ano. Apenas cerca de 200 pessoas daquele grupo chegaram à fronteira.

Embora essas caravanas de migrantes tenham ocorrido regularmente ao longo dos anos, passando amplamente despercebidas, elas receberam atenção generalizada este ano após a feroz oposição do presidente dos Estados Unidos Donald Trump.

Na sexta-feira, o Pentágono aprovou um pedido de tropas adicionais na fronteira sul, que deverá totalizar várias centenas, para ajudar a Patrulha de Fronteira dos EUA. Trump tenta transformar as preocupações sobre a imigração e a caravana em ganhos eleitorais para as eleições legislativas marcadas para 6 de novembro.

Prevendo temores sobre a caravana e a imigração ilegal para mobilizar sua base republicana, o presidente americano insinuou que os membros de gangues e "do Oriente Médio" estão misturados ao grupo, embora mais tarde tenha reconhecido que não havia provas disso.

Em uma igreja em Arriaga que abriu suas portas para mulheres e crianças na sexta-feira, Ana Griselda Hernandez, 44 anos, de Mapala, Honduras, disse que ela e dois amigos com crianças decidiram pagar uma viagem de ônibus porque com uma criança de 4 e outra de 5 anos não conseguiriam caminhar por uma distância de quase 100 quilômetros.

"É difícil porque eles andam muito devagar", disse ela, que apontou para as bolhas nos próprios pés, um testemunho do fato de que eles andaram ou pegaram carona pelo resto do caminho desde que deixaram o país.

Voluntários da Cruz Vermelha mexicana tratam os pés feridos e cortados de migrantes da América Central - Rebecca Blackwell/Associated Press

O governo do México permitiu que os migrantes fizessem seu caminho a pé, mas não forneceu comida, abrigo ou banheiros, reservando qualquer ajuda para aqueles que aceitarem a oferta feito pelo presidente Peña Nieto.

A polícia também tem expulsado os passageiros migrantes pagos, impondo uma regulamentação obscura de seguro de trânsito para tornar mais difícil que eles viajem dessa forma.

As autoridades também estavam reprimindo grupos menores tentando alcançar a principal caravana, detendo cerca de 300 hondurenhos e guatemaltecos enquanto caminhavam ao longo de uma estrada depois de cruzar a fronteira do México ilegalmente, disse um funcionário da autoridade nacional de imigração.

Os migrantes, que entram ilegalmente no México todos os dias, geralmente chegam em caminhões ou ônibus de contrabandistas, ou caminham à noite para evitar a detecção. O fato de que este grupo estava andando em plena luz do dia sugere que eles estavam adotando as táticas da caravana, que é grande o suficiente para estar a céu aberto sem medo de detenções em massa.

No entanto, agora parece que grupos menores serão detidos pelas autoridades de imigração, impedindo-os de aumentar as fileiras da caravana.

Na noite de sexta-feira, Irineo Mujica, cuja organização People Without Borders está apoiando a caravana, acusou agentes mexicanos de imigração de perseguir migrantes em um esforço para impedir o avanço do grupo. Ele incentivou que viajem juntos.

"Eles estão nos aterrorizando", disse Mujica.

Migrantes da América Central descansam em trilhos onde o trem de carga conhecido como "A Besta" transporta migrantes para o norte há décadas - Rodrigo Abd/Associated Press


 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.