Descrição de chapéu
The New York Times

Ação secreta na faixa de Gaza deixa Israel e Hamas à beira de uma nova guerra

Troca de foguetes entre os dois lados começou após operação clandestina israelense dar errado

David M. Halbfinger
Jerusalém | The New York Times

No domingo (11), o primeiro-ministro Binyamin Netanyahu garantiu aos israelenses cansados de conflitos com palestinos na faixa de Gaza que estava "fazendo tudo o que posso para evitar uma guerra desnecessária".

Mas 24 horas depois Israel parecia estar exatamente à beira disso.

Quando uma missão de inteligência de comandos à paisana fracassou, deixando sete combatentes palestinos mortos, o grupo militante Hamas e outras facções armadas montaram uma intensa e crescente barragem de foguetes e morteiros na maior parte do sul de Israel.

Com as sirenes de ataque aéreo uivando do Mediterrâneo ao mar Morto, e depois que um míssil antitanques palestino explodiu um ônibus israelense, ferindo gravemente um soldado de 19 anos, Israel retaliou com ataques aéreos e de tanques que se tornaram mais destrutivos conforme a noite avançava.

Israel atingiu dezenas de postos militares e depósitos de armas em toda Gaza, mas também arrasou uma estação de TV e rádio do Hamas, um prédio de escritórios e o quartel-general de inteligência do grupo. Foi a luta mais pesada entre Israel e Gaza desde a guerra de 2014.

O combate ameaçou afundar meses de negociações multilaterais destinadas a acalmar a fronteira Israel-Gaza, onde protestos desde março receberam resposta letal de Israel. Cerca de 170 palestinos foram mortos e milhares, feridos.

As negociações, mediadas pelo Egito, já tinham produzido medidas concretas para abrandar as tensões em Gaza, incluindo mais energia elétrica e a entrada de milhões de dólares em ajuda.

Então por que, perguntavam-se alguns israelenses na segunda-feira (12), com o governo israelense pressionado para atenuar as tensões em Gaza e as negociações exibindo progresso, o governo arriscaria tudo em algo que, segundo as autoridades, era uma missão de vigilância de rotina?

A resposta, segundo analistas, é que talvez não fosse tão de rotina. Ninguém esperava que o comando israelense fosse exposto.

"A suposição real é que a operação não será revelada", disse Giora Eiland, major-general aposentado e ex-assessor de segurança nacional. "Não é 100%, mas pode-se calcular que 99% dessas operações não são reveladas, e 99% é bom o suficiente para tomar uma decisão supondo que a força entrará, executará e sairá sem ser detectada."

O custo desse pequeno risco ficou claro na segunda-feira. Mais de 400 foguetes e morteiros foram disparados contra Israel, e militares israelenses disseram ter atingido mais de 70 alvos militares em Gaza pertencentes ao Hamas, que governa o território, e à Jihad Islâmica palestina.

As autoridades de Gaza disseram que três palestinos foram mortos nos ataques aéreos israelenses e outros nove ficaram feridos. Um israelense foi morto e pelo menos 16 ficaram feridos na segunda-feira.

O confronto continuou nesta terça (13), com pelo menos mais três mortes de palestinos, e o Egito e a ONU agora trabalham por um cessar-fogo imediato. 

Cada lado advertia repetidamente o outro para recuar, mas ele próprio não o fazia. Depois que Israel ameaçou na segunda-feira à noite começar a arrasar os edifícios de Gaza, e entrou em ação, o Hamas advertiu que "milhões" de israelenses sofreriam sob seus foguetes.

Os militares israelenses ordenaram que todos os moradores do sul, incluindo as cidades de Ashdod e Beersheba, ficassem em abrigos antibombas, alguns dos quais foram abertos a até 40 quilômetros do perímetro de Gaza. Sirenes de ataque aéreo foram ouvidas até em Hebron, na Cisjordânia.

O enviado da ONU à região, Nickolay Mladenov, que tentou um cessar-fogo entre Israel e Gaza, escreveu no Twitter que os dois lados precisam "recuar da iminência" da guerra. "Os foguetes têm de parar, todos devem demonstrar contenção!", escreveu ele.

Entretanto, tarde da noite os dois lados continuavam instigando o conflito.

O major-general Kamil Abu Rukun, coordenador israelense de atividades do governo nos territórios palestinos, advertiu os moradores de Gaza que o Hamas havia "cruzado uma linha vermelha" e disse que "Israel vai mostrar sua resposta".

Na cidade de Gaza, funcionários da estação de TV do Hamas, Al Aqsa, foram avisados para deixar os escritórios, e pouco depois o prédio foi destruído por diversas explosões de mísseis que foram filmadas por observadores. Um porta-voz do Hamas, Fawzi Barhoum, chamou a destruição da estação de "agressão bárbara".

O combate começou horas depois que palestinos e israelenses enterraram os combatentes mortos no domingo à noite, depois que uma missão de inteligência israelense na faixa de Gaza deu errado, quando uma equipe de agentes à paisana foi desafiada por combatentes do Hamas. Houve um tiroteio e a equipe pediu ataques aéreos para encobrir sua fuga.

Seis combatentes do Hamas, incluindo um comandante de forças da área de Khan Younis e um membro dos Comitês de Resistência Popular, outra facção armada, foram mortos. Um tenente-coronel israelense da unidade de elite Maglan, uma brigada de comando, também foi morto no choque e saudado como herói nacional em seu enterro.

Segundo uma ex-autoridade de Israel que tem conhecimento da operação, seu objetivo era vigilância, e não assassinato. Tais missões, geralmente destinadas a instalar equipamento de vigilância, são longamente planejadas e consideradas de baixo risco de exposição e confronto.

Mas são perigosas o bastante para exigirem a aprovação do primeiro-ministro, disse Eiland.

As autoridades israelenses não explicaram publicamente a missão ou o que deu errado nela.

"O objetivo da operação não era sequestrar nem matar um agente do Hamas", disse na segunda à noite o tenente-coronel Jonathan Conricus, porta-voz militar israelense. Segundo ele, quando a força israelense encontrou problemas, "agiu com rapidez, profissionalmente, conseguiu se defender, escapar de maneira muito profissional, garantindo que todos os soldados voltassem a Israel, que nenhum fosse deixado para trás".

Ele disse que a operação no domingo não foi uma provocação deliberada, mas uma parte rotineira dos esforços militares de Israel para enfrentar ameaças terroristas em suas fronteiras.

"Assim como as organizações terroristas não param de planejar, de estocar armas e tentar atacar civis israelenses, nós tampouco, em nossos preparativos, em nossos esforços e nossas operações que conduzimos para mitigar as capacidades das diferentes organizações terroristas ao nosso redor", disse ele.

Os proponentes de um cessar-fogo tinham avisado há meses que os melhores esforços dos militares para conter as tensões com Gaza poderiam dar em nada por causa da imprevisibilidade dos choques interfronteiras.

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.