Descrição de chapéu Portugal

'Bolsonaro português' quer castração química de pedófilos e trabalho obrigatório nas prisões

André Ventura diz que já foi Trump europeu e culpa esquerda por apelidos

Lisboa

A defesa de ideias polêmicas –como a castração química de pedófilos e o trabalho compulsório nas prisões– rendeu ao político André Ventura o apelido de “Bolsonaro português”. 

A comparação com o presidente eleito do Brasil se intensificou no último mês, quando Ventura anunciou a decisão de renunciar ao mandato de vereador em Loures, cidade da região metropolitana de Lisboa, para fundar seu próprio partido. 

Embora afirme que a comparação com Bolsonaro “não tem nada a ver”, Ventura, 36, diz apreciar alguns pontos do discurso do capitão reformado, como a ênfase na questão da segurança pública e a necessidade de reformas profundas.

"Quando alguém sai do padrão do politicamente correto, as pessoas gostam de rotular. Em Portugal, quem faz estes rótulos é a esquerda, com o nome de alguém que acha que os portugueses não gostam. No ano passado eu era o Trump europeu. Este ano é o Bolsonaro”, diz. 

EUROPEIAS

De olho nas eleições para o Parlamento Europeu, que acontecem em 26 de maio de 2019, Ventura está na reta final do processo de formalização de seu partido. Tradicionalmente, os votos de protesto são abundantes nos pleitos para a escolha dos eurodeputados, o que já o faz sonhar com um assento na assembleia. 

Ventura não esconde, porém, que o objetivo final são as eleições legislativas portuguesas, em novembro do mesmo ano. 

A sigla, que recebeu o nome Chega em alusão ao descontentamento com os rumos de Portugal, segue a linha populista, com propostas bastante à direita. 

“Eu não tenho ilusões. É impossível para um partido novo ganhar imediatamente as eleições. Portanto o grande objetivo é impedir o que está para acontecer: a esquerda ter outra vez uma grande maioria como tem agora”, justifica. 

Ao contrário da maior parte da Europa, a esquerda portuguesa vive um momento de muita popularidade. A coalizão do partidária liderada pelo socialista António Costa, que foi apelidada pejorativamente de geringonça por sua aparente fragilidade– continua rendendo dividendos políticos aos parceiros. 

Nesse ambiente, Ventura também não poupa críticas a seu antigo partido, o PSD, principal legenda da oposição, que ele acusa de ter abandonado os ideais morais e econômicos da direita, em busca do eleitorado de centro-esquerda. 

"O PSD alienou-se do nosso eleitorado [de direita] e está se aproximando do local onde acha que está o Partido Socialista, porque é onde agora estão mais votos. Isto agora pode ser útil, mas é pouco inteligente. Porque se as pessoas tiverem o 'Partido Socialista 1' o 'Partido Socialista 2', votam no 1, que é o original. Não vão votar no que quer parecer socialista” diz. 

Para recuperar os corações e os votos da direita portuguesa, Ventura propõe o endurecimento das leis, como o aumento do tempo máximo de prisão, hoje em 25 anos, e uma diminuição da máquina do Estado. 

"Em matéria de impostos, acho que Portugal tem um problema, assim como o Brasil: toda a gente está sufocada com os impostos. Em Portugal, os impostos mais elevados podem chegar a 48%, isso significa metade do nosso rendimento. Não é justo”, diz. 

Quanto à polêmica ideia de trabalho obrigatório para os presos, ele diz que considera justo que os detentos contribuam para diminuir os gastos com o sistema prisional.

"Trabalho obrigatório não quer dizer que nós vamos chicotear quem não quiser trabalhar. Claro que não. O que eu defendo é que, se o preso não quiser trabalhar, não pode ter benefícios, como as saídas temporárias e a liberdade condicional”, explica.

BRASILEIROS BEM-VINDOS

Professor universitário e doutor em direito, Ventura concilia a política com a carreira acadêmica, onde ele diz ter contato com muitos alunos brasileiros.

Apesar do discurso populista de direita, ele afirma defender a imigração, e elogiou a recente chegada de estudantes e brasileiros a Portugal. 

"O que me distingue para aqueles que querem me catalogar como extrema-direita é eu ser completamente pró-Europa e ser pró-imigração. O que eu quero é que imigrantes, minorias ou maiorias, cumpram as regras. Os que não cumprem, têm de se enquadrar”, resume o português.

"Eu acho que a nossa relação é muito mais difícil com as minorias étnicas [como os ciganos] do que com comunidades imigrantes, especialmente os brasileiros”, diz o português.

“Tem havido um aumento da comunidade estrangeira e, sendo honesto, eu vejo isso com bons olhos. Porque traz diversidade, traz multiculturalidade e enriquece. Em Portugal, nós não podemos virar as costas à nossa história. Nós também já fomos um país de emigrantes”, finaliza.

 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.