Descrição de chapéu Governo Trump

Disputas acirradas em estados-chave marcam eleições legislativas nos EUA

Democratas tentam retomar Câmara e Senado, cenário que pode causar incômodo ao presidente

Homem aparece de costas, enquanto vê a tela.
Militante do Partido Republicano observa tela mostrando as cadeiras definidas nas eleições legislativas em evento em Scottsdale, no estado do Arizona - Ralph Freso/Getty Images/AFP
Danielle Brant Júlia Zaremba
Nova York e Washington

Estado-chave em eleições presidenciais e legislativas por mudar constantemente sua preferência partidária, a Flórida enfrentou uma disputa acirrada pelo Senado e pelo governo estadual. 

Com mais de 99% dos votos apurados, em ambos os casos, republicano e democrata se alternavam na liderança com menos de um ponto percentual de diferença —na disputa para o Senado, mais esperada, o atual governador do estado, o republicano Rick Scott, aparecia pouco à frente do senador democrata Bill Nelson, no cargo há 18 anos.

Projeções indicavam que os democratas poderiam conseguir retomar o controle da Câmara, enquanto o Senado caminhava para permanecer com maioria republicana.

À 1h30 desta quarta (7) em Brasília (22h30 na costa leste dos EUA), os democratas contavam 125 cadeiras na Câmara, e os republicanos, também 125, segundo a CNN.

Mas a oposição havia conseguido conquistar 12 cadeiras que antes pertenciam ao partido do presidente 

Donald Trump e a expectativa era de que conseguissem "virar" ao menos os outros 11 assentos de que precisavam para chegar à maioria de 218 na Casa.

Já no Senado, a situação levava vantagem, com 49 assentos já garantidos, dos 51 necessários. A oposição contava 38 e havia perdido dois assentos.

Surpresas poderiam emergir de estados tradicionalmente republicanos, como Texas, que vem assistindo a um avanço democrata. O republicano Ted Cruz, ícone do movimento Tea Party e aliado de Donald Trump, era seguido de perto pelo democrata Beto O'Rourke na corrida pelo Senado no estado.

O presidente e suas plataformas foram o tema central e praticamente único desta eleição. Política migratória e política externa conseguiram ofuscar temas que costumam dominar a atenção do eleitor, como economia e segurança.

Os democratas apostaram numa plataforma anti-Trump, pró-imigração e pró-saúde.

Apostaram, também, em caras novas e na ala "socialista" do partido "“a expoente desse grupo, Alexandria Ocasio-Cortez, 29, se elegeu para uma vaga na Câmara por Nova York, projeta a CNN. 

Outra liderança da ala mais à esquerda, o veterano Bernie Sanders, que disputou a candidatura presidencial do partido com Hillary Clinton, em 2016, mas é independente, também se elegeu senador em Vermont.

Já o governador de Nova York, Andrew Cuomo, ligado à ala mais tradicional do partido democrata, confirmou o favoritismo e passará a seu terceiro mandato. O resultado reforça seu nome como possível candidato do partido a presidente em 2020.

Do lado republicano, Mitt Romney, que perdeu a presidência para Barack Obama em 2012, foi eleito para o Senado pelo estado de Utah.

Trump passou o dia fazendo uma das coisas pelas quais mais ficou famoso nos últimos dois anos: escrevendo mensagens em uma rede social.

Foram seis tuítes, sendo quatro endossando candidatos. O sucesso de sua campanha, porém, só seria conhecido nesta manhã.

Tradicionalmente, as eleições de meio de mandato do presidente tendem a dar maioria à oposição --a exceção recente foi o republicano George W. Bush em 2002, com o país ainda abalado pelo 11 de Setembro. Analistas na mídia americana, porém, avaliaram este pleito como mais "plebiscitário" do que os demais.

A Câmara tem 435 cadeiras, todas em disputa, com mandatos de dois anos. O Senado, com mandatos de seis anos, terá 35 das 100 vagas renovadas.

Os americanos escolheriam também governadores em 36 dos 50 estados. Além disso, foram colocadas para consulta popular 155 medidas em 37 estados.

Relatos na imprensa davam conta de comparecimento alto —a média para legislativas costuma ser de 40%, já que o voto não é obrigatório. Os últimos estados da costa oeste encerraram a votação às 3h em Brasília.

A votação foi relativamente tranquila. Durante o dia, algumas notícias falsas envolvendo o tema foram publicadas no Facebook, que informou que removeu os posts.

O Facebook também disse ter removido postagens com datas erradas de votação

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.