Incêndios na Califórnia têm ao menos 71 mortos e mais de 1.000 desaparecidos

Bombeiros seguem trabalhos de busca enquanto, Trump é esperado no estado neste sábado (17)

Los Angeles | AFP e Reuters

Os devastadores incêndios na Califórnia causaram a morte de ao menos 71 pessoas e há mais de mil desaparecidas, informaram autoridades americanas.

O incêndio Camp, que começou há mais de uma semana na localidade de Paradise, no norte do estado, destruiu cerca de 57.500 hectares. 

No sul do Estado, próximo a Los Angeles, outro incêndio, conhecido como Woolsey, destruiu quase 40 mil hectares e devastou áreas de Malibu e destruiu as casas de várias celebridades.

Cerca de 9.000 bombeiros foram mobilizados nas duas frentes de fogo e dezenas de milhares de moradores foram retirados de suas casas.

Abrigos de emergência instalados em igrejas, escolas e centros comunitários estão sendo utilizados para levar as famílias.

As equipes de buscas estão usando cães em áreas destruídas pelo fogo à procura de corpos.

O centro das operações de busca de desaparecidos é em Paradise, lar de muitos aposentados que não conseguiram fugir a tempo.

O presidente dos EUA, Donald Trump, visitou Paradise neste sábado (17) e voltou a culpar a falta de limpeza preventiva em áreas florestais pelo fogo.

​Trump disse considerar que as mudanças climáticas “podem ter contribuído um pouco” para a dimensão da tragédia, mas que “o principal problema é a gestão ambiental”.

“Não creio que vamos ter algo assim de novo com esta extensão”, disse Trump, sobre o incêndio. “Espero que este seja o último deles, porque esse foi um [incêndio] muito ruim.”

Depois que os incêndios tiveram início, o presidente denunciou a má gestão das florestas pelas autoridades locais; no entanto, a maioria delas está sob controle federal. 

Ele também ameaçou cortar os fundos federais, enquanto o Congresso destinou US$ 2 bilhões (R$ 7,49 bilhões) para combater incêndios florestais no ano fiscal de 2018.

Posteriormente, porém, o presidente mudou de tom e declarou uma “grande catástrofe” no estado, saudou o trabalho dos bombeiros e mostrou à população seu apoio. 

Mas, na sexta-feira (16), novamente subiu o tom para destacar a ausência, segundo ele, da limpeza preventiva em áreas florestais. “Se a área de fogo em Paradise tivesse sido limpa, não haveria fogo”, disse ele à Fox News.

Foi a segunda visita do presidente do reduto democrata da Califórnia, desde a sua chegada ao poder em janeiro de 2017. O estado faz oposição a Trump em muitas frentes, da imigração e meio ambiente até a regulamentação do porte de armas de fogo.

A Califórnia, estado mais populoso do país, é também aquele com mais imigrantes indocumentados, alvos frequentes do presidente.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.