Michelle Obama inicia turnê para lançar livro com evento em Chicago vendido a R$ 2.300

Ex-primeira-dama dos EUA foi entrevistada por Oprah Winfrey

Ex-primeira-dama dos EUA Michelle Obama ao lado da apresentadora Oprah Winfrey em evento para lançar sua turnê de divulgação do livro de memórias "Becoming", em estádio de Chicago - AFP
Fernanda Mena
Chicago

​Michelle Obama lançou sua esperada biografia, intitulada "Becoming" (tornando-se, em tradução livre do inglês), em uma turnê que teve início nesta terça (12), em Chicago, sua cidade natal.

No evento oficial de lançamento do livro, a ex-primeira dama dos EUA foi entrevistada pela apresentadora Oprah Winfrey no United Center, o estádio do Chicago Bulls, o time de basquete local, para uma plateia estimada de 14 mil admiradores.

Ingressos para assistir à conversa entre duas das mais importantes celebridades americanas custavam, em média, US$ 600 (cerca de R$ 2.300).

Antes dele, no entanto, Michelle Obama resolveu prestigiar sua comunidade de base, ao sul de Chicago, e agendou uma tarde de autógrafos na excêntrica livraria Seminary Co-Op, uma loja cooperativa no bairro de Hyde Park, a oito quarteirões do casarão onde a família Obama viveu e que mantém na cidade.

A livraria é vizinha da Universidade de Chicago, onde Barack Obama foi professor da Escola de Direito e cujo Centro Médico foi administrado por Michelle.

O evento surpresa foi divulgado na manhã do último domingo (11) e, duas horas depois, os 400 ingressos já estavam esgotados.

Mesmo com entrada garantida, os fãs de Michelle começaram a formar uma longa fila duas horas antes de a livraria abrir suas portas.

Fazia -6ºC em Chicago, e a produção do evento distribuiu biscoitos amanteigados e cidra de maçã quente para quem aguardava sua vez no frio da calçada. Uma placa explicava tratar-se de uma cortesia da senhora Obama.

Entre jovens admiradores e conhecidos de Michelle dos tempos pré-Casa Branca, estava Kimberly Dubuclet, que dava carona para a escola para as filhas do casal Obama.

"Malia e minha filha sempre iam cantando no banco traseiro", lembra ela, que retrata a ex-primeira dama como alguém "pé no chão, atenciosa e envolvida com a comunidade".

"Michelle é alguém que realmente se importa com as pessoas, especialmente se você a compara com o que está acontecendo hoje na política norte-americana", aponta ela, que, de dona de casa, se tornou representante do estado de Illinois pelo Partido Democrata.

Após passar por um forte esquema de segurança, com detector de metais e revista de bolsas e mochilas, era preciso guardar telefones celulares antes de chegar à mesa onde Michelle, vestida de preto, sorria e apertava as mãos geladas de quem havia esperado para vê-la.

A equipe e os seguranças não permitiam muito mais que alguns segundos de conversa entre a ex-primeira dama e o leitor da vez.

Alguma lembrança especial da viagem ao Brasil? Alguma mensagem para os brasileiros, que elegeram um presidente que se inspira em Donald Trump? "Você é da imprensa? Desculpe, não posso dar entrevistas aqui."

 

​E a reportagem da Folha saiu sem respostas, mas com um exemplar autografado deste ouro do mercado editorial globalizado.

Do lado de fora da livraria, havia quem celebrasse a experiência de estar frente a frente com a ex-primeira dama com pulos e gritinhos. Outros, faziam rodinhas para comentar a experiência e falar da admiração pela autora de "Becoming".

As próximas datas da turnê de Michelle Obama --Los Angeles no dia 15 e Washington no dia 17 de novembro-- estão com os ingressos esgotados. A turnê passará por 14 cidades, no total, incluindo dois destinos internacionais: Londres e Paris.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.