Descrição de chapéu Governo Bolsonaro

Netanyahu estará na posse de Bolsonaro, diz delegação israelense

Encontro com eleito está confirmado para sexta, após crise ameaçar permanência até o evento do dia 1º

Igor Gielow
São Paulo

Com a dissolução do Parlamento israelense e a confirmação de eleições antecipadas para 9 de abril, o premiê Binyamin Netanyahu estará na posse do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

Bibi, como o primeiro-ministro é conhecido, chega ao fim da manhã desta sexta (28) ao Rio. Ele havia marcado uma visita de cinco dias ao Brasil, a primeira do gênero da história, para encontrar-se com o eleito e prestigiar a cerimônia de posse no dia 1º. Ele também se reuniria também com os novos ministros da Defesa, general Fernando Azevedo Silva, e das Relações Exteriores, Ernesto Araújo.

A crise política em seu país, contudo, colocou a agenda em suspenso extraoficialmente —exceto o encontro com Bolsonaro, na própria sexta.

O premiê de Israel, Binyamin Netanyahu, em sessão do Parlamento em Jerusalém - Menahem Kahana/AFP

Netanyahu teve de convocar um pleito parlamentar antecipado, no qual é favorito para manter o cargo, para rearranjar as forças partidárias de sua coalizão.

Ele enfrenta protestos de aliados ultraortodoxos revoltados com o plano de alistar esses membros fundamentalistas do Estado judeu nas Forças Armadas e sofre um cerco judicial por acusações de corrupção que diz serem falsas.

Na terça (25), a organização da visita recebeu ordens de Israel para que Bibi voltasse já no domingo (30), devido à incerteza sobre o voto pela antecipação das eleições. A costura foi feita, e a medida passou por 102 votos a 0 nesta quarta (26), abrindo a possibilidade para a permanência.

Ela ainda pode ser alterada —até porque o vaivém em si não foi objeto de comunicados formais por parte de Israel.

Com Netanyahu, Bolsonaro poderá contar com a principal estrela de sua posse presidencial, um evento geralmente esvaziado no Brasil devido ao calendário desfavorável. Além dele, líderes sul-americanos como Sebastián Piñera (Chile) confirmaram presença.

Além disso, países europeus têm rejeitado associar-se a Bolsonaro, que provoca polêmica ao desprezar acordos apoiados por eles como os de Paris (climáticos) e a iniciativa da ONU em prol de segurança de processos migratórios.

O embaixador francês nos EUA ironizou em rede social a fala do eleito de que seria “insuportável” morar naquele país devido aos problemas com imigrantes.

Já os EUA de Donald Trump, principal modelo externo do presidente eleito, menosprezaram o evento, enviado apenas uma delegação encabeçada pelo secretário de Estado (chanceler), Mike Pompeo —que também deveria se encontrar com Netanyahu.

Há quatro anos, Dilma Rousseff (PT) recebeu a visita do então vice americano, Joe Biden, em sua posse.

A aproximação entre Bolsonaro e Israel vem sendo anunciada desde a campanha. O eleito, católico, batizou-se evangélico em Israel em 2016 e aproximou-se desse importante setor —onde tem expressivo apoio eleitoral.

E os evangélicos, neopentecostais especialmente, apoiam o Estado judeu pelo que consideram justiça bíblica e, em alguns casos, precondição para volta de Jesus Cristo à Terra.

O efeito colateral disso já ficou claro. A Liga Árabe protestou contra a ideia de Bolsonaro de mudar a embaixada brasileira de Tel Aviv, onde a maioria dos países tem representação enquanto não se soluciona o status do conflito com a Palestina, para Jerusalém.

Só Trump, entre países importantes, tomou tal medida e declarou reconhecer Jerusalém capital de Israel. Outros Estados, como a Rússia, até consideram a porção ocidental da cidade sagrada como judaica, enquanto a oriental seria a capital de um futuro Estado palestino, mas sem mudança de endereço de embaixada.

Além de ir contra o histórico de posicionamento brasileiro acerca do conflito na região, oficialmente neutro e muitas vezes tendendo ao lado árabe, a ideia pode ter consequências econômicas.

O Brasil é grande fornecedor de carnes processadas sob preceitos islâmicos, com regras específicas de abate e manuseio de insumos, e hoje tem 45% de seu frango e 40% de sua carne bovina exportada com essa qualificação. Um eventual boicote poderia ter efeito devastador num setor já em dificuldades.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.