O que acontecerá com o 'brexit' agora que o voto no Parlamento foi adiado?

Premiê britânica adiou voto para evitar derrota no acordo sobre saída da UE

Londres | Associated Press

Em dura derrota para a primeira-ministra Theresa May, o governo do Reino Unido adiou a votação, pelo Parlamento britânico, do acordo de separação do país da União Europeia (UE).   

O Legislativo se pronunciaria na terça-feira (11) sobre os termos do documento acordado entre May e líderes europeus em novembro. Ela avaliou que não conseguiria conter, a tempo da sessão, o motim de parte significativa de seus correligionários do Partido Conservador.

Entenda o que pode acontecer com o "brexit" a partir de agora:

Manifestantes a favor e contrários aos "brexit" protestam diante do Parlamento britânico - Tolga Akmen/AFP

O que significa o adiamento do voto?

Um atraso na votação do acordo no Parlamento forçará o governo enfraquecido de May a tentar renegociar a saída britânica do bloco europeu ou encarar duas opções igualmente complicadas: um "brexit" sem acordo, que poderia trazer profundos efeitos na economia britânica, ou um novo referendo, que poderia minar a crença dos britânicos em seu sistema democrático e levar a protestos em massa. Qualquer seja a opção, analistas dizem que May sairá enfraquecida, talvez a ponto de não conseguir se manter no poder.

Já há uma nova data para votar?

Não, mas o dia limite para a chefe de governo apresentar um plano é 21 de janeiro. 

Quais são as opções de May?

Em discurso aos parlamentares, May disse que voltará às autoridades europeias no encontro previsto para ocorrer entre os dias 13 e 14 de dezembro para buscar garantias de que o “backstop” –como é conhecido o mecanismo que instauraria a união aduaneira e um dos temas mais polêmicos do acordo– será provisório. Os líderes europeus insistem que o acordo de 585 páginas que assinaram não pode ser renegociado, mas a declaração sobre as relações futuras é mais curta e permite emendas.

A premiê pode perder o cargo?

May insiste que não tem planos de renunciar, mas sua base de apoio no poder foi enfraquecida diante de sua inabilidade de resolver as diferenças entre membros de seu próprio gabinete e aprovar o acordo para o "brexit". Dissidentes dentro do governista Partido Conservador podem pedir um voto de desconfiança contra a premiê se conseguirem o apoio de 48 integrantes do Parlamento. Se May perder este voto, o partido fará eleição para escolher um novo líder, o que pode tomar semanas do já curto prazo até o prazo oficial da saída britânica da UE, em 29 de março. Outro cenário é se o opositor Partido Trabalhista pedir um voto de desconfiança do governo, o que pode levar a uma nova eleição geral no país. Para isso, contudo, seria necessário o apoio de parte dos conservadores, que dificilmente apoiariam uma estratégia que pode acabar com o partido sendo forçado para fora do governo.

O Reino Unido pode mudar de ideia sobre o "brexit"?

Sim. A Corte Europeia de Justiça determinou nesta segunda-feira (10) que o Reino Unido pode voltar atrás e permanecer na União Europeia sem o aval dos outros 27 países membros. A decisão ampliou a força do chamado Voto do Povo, o grupo que defende um novo referendo sobre o "brexit" agora que o impacto econômico da saída ficou mais claro.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.