Descrição de chapéu Governo Trump

Trump ameaça fechar fronteira com México se democratas não aprovarem muro

Governo americano entrou no sétimo dia de paralisação devido à divergência sobre o orçamento

Danielle Brant
Nova York

O presidente americano, Donald Trump, ameaçou nesta sexta-feira (28) fechar a fronteira dos Estados Unidos com o México se os “obstrucionistas” democratas não aprovarem o financiamento para o muro que o republicano quer construir na divisa, em um impasse que provocou uma paralisação parcial do governo que entra no sétimo dia.

Em mensagem em uma rede social, Trump afirmou que será forçado a fechar a fronteira sul completamente “se os democratas obstrucionistas não derem a nós dinheiro para terminar o muro e também [não] mudarem as ridículas leis de imigração que sobrecarregam nosso país.”

O presidente americano Donald Trump durante sua visita surpresa às tropas do país no Iraque
O presidente americano Donald Trump durante sua visita surpresa às tropas do país no Iraque - Saul Loeb - 26.dez.18/AFP

“É difícil acreditar que um Congresso e um presidente aprovariam [as leis]”, criticou.

O presidente afirmou ainda que os EUA perdem muito dinheiro, “mais de US$ 75 bilhões (R$ 291 bilhões) por ano”, no comércio com o México no Nafta, o acordo comercial que o republicano renegociou e transformou no USMCA, em termos considerados mais vantajosos por Trump.

O valor, complementou, não inclui o dinheiro proveniente do tráfico de drogas e que superaria em muitas vezes esse valor, segundo o republicano. Por causa disso, fechar a fronteira sul “seria uma operação lucrativa.”

“Nós construímos um muro ou fechamos a fronteira sul”, acrescentou. “Trazemos nossa indústria automobilística de volta aos EUA, onde ela pertence. Voltamos ao pré-Nafta, antes que muitas de nossas empresas e empregos fossem enviados tolamente ao México. Ou nós construímos (terminamos) o muro ou fechamos a fronteira.”

Criança brinca em uma escola de Puerto Palomas, cidade localizada ao lado do muro na fronteira dos EUA - Lalo de Almeida/Folhapress

O presidente afirmou ainda que Honduras, Guatemala e El Salvador não “fazem nada pelos EUA, além de tirar nosso dinheiro.”

O republicano disse ter conhecimento de uma nova caravana que está se formando em Honduras e acusou os governos desses países de não fazerem “nada sobre isso.”

“Nós vamos cortar toda ajuda a esses três países –tiraram vantagem dos EUA por anos.”

Na quinta-feira, Trump, em mensagem na mesma rede social, afirmou que, na Califórnia, estava havendo uma perseguição de um imigrante ilegal acusado de atirar e matar um policial. “É hora de endurecer nossa segurança na fronteira. Construa o muro!”, escreveu.

O financiamento ao muro está por trás do impasse entre democratas e republicanos que mergulhou o governo americano numa paralisação parcial que entra no sétimo dia e que deixou 800 mil funcionários federais trabalhando sem receber salário ou de licença.

Alguns parques federais estão fechados, por falta de empregados. O apagão parcial atinge 25% do governo federal —o restante já tinha recursos assegurados até setembro de 2019.

Na semana passada, a Câmara dos Deputados passou uma lei que contemplava cerca de US$ 5 bilhões (R$ 19,4 bilhões) para o financiamento do muro, mas os democratas no Senado já haviam dito que bloqueariam a medida –são necessários 60 votos para passar a proposta. Trump afirmou que não pretende aprovar nenhuma lei que não inclua os recursos para a obra.

A disputa dá um vislumbre do que aguarda o presidente quando os democratas tomarem o controle da Câmara , no próximo dia 3. Analistas estimam que a paralisação parcial deve durar pelo menos até o Ano Novo

A maior paralisação do governo durou 21 dias e teve início em dezembro de 1995. O impasse ocorreu entre republicanos e o presidente Bill Clinton e teve como origem um acordo sobre orçamento de longo prazo. Cerca de 284 mil funcionários federais foram colocados de licença e 475 mil trabalharam sem receber, de acordo com o serviço de pesquisa do Congresso. 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.