Bolsonaro e Macri querem rever tarifa externa comum do Mercosul

Em declaração conjunta, os dois presidentes prometem trabalhar para flexibilizar a regra

Os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e da Argentina, Mauricio Macri, durante o almoço no Palácio do Itamaraty
Os presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e da Argentina, Mauricio Macri, durante o almoço no Palácio do Itamaraty - Pedro Ladeira/Folhapress
Brasília

O Ministério das Relações Exteriores brasileiro divulgou nesta quarta-feira (16) uma declaração conjunta do país com a Argentina na qual os dois governos prometem trabalhar para rever a tarifa externa comum do Mercosul. 

O comunicado é resultado do encontro entre os presidentes da Argentina, Mauricio Macri, e do Brasil, Jair Bolsonaro, também nesta quarta em Brasília.  

A tarifa externa comum é uma alíquota do imposto de importação acertada entre os quatro sócios do bloco  —Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.

O conteúdo da nota indica que Bolsonaro e Macri pretendem flexibilizar essa regra.

No mesmo documento, o Itamaraty diz que Bolsonaro e Macri vão trabalhar juntos para "melhorar o acesso a mercados e avançar em facilitação de comércio e convergência regulatória".

Ainda sobre o Mercosul, os mandatários decidiram atuar para impulsionar as negociações "mais promissoras já em curso" do bloco com outros países, e "avaliar o início de novas negociações com novos parceiros".

Assim, a declaração aponta uma uma linha semelhante a que o Itamaraty adotou sob Bolsonaro em relação aos acordos que o Mercosul tenta fechar com outros parceiros: fazer o possível para concluir conversas que já estão avançadas, como as que envolvem a União Europeia, mas no futuro atuar para que haja mais liberdade entre os membros para fechar acordos com terceiros.

Embora Bolsonaro e Macri —o argentino de forma mais enfática— tenham abordado a situação da Venezuela e criticado o regime do ditador Nicolás Maduro, não há qualquer menção no comunicado conjunto à crise venezuelana.

Também foi informado que Bolsonaro deve realizar uma visita oficial a Buenos Aires, em data que ainda será definida.  

Ricardo Della Coletta , Talita Fernandes e Gustavo Uribe

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.