Descrição de chapéu Governo Trump

Em meio a retirada de tropas, soldados americanos morrem em explosão na Síria

Ataque é reivindicado pelo Estado Islâmico, grupo que Trump disse em dezembro ter derrotado

Nova York

Uma explosão na Síria nesta quarta-feira (16) reivindicada pelo Estado Islâmico resultou na morte de ao menos quatro americanos, sendo dois soldados, segundo o Exército dos Estados Unidos.

Além dos dois militares, morreram um funcionário de um fornecedor do Departamento de Defesa e um civil que trabalhava no setor de inteligência do departamento. Ele estava com os soldados para coletar informação sobre segurança na região.

Em comunicado, o central de comando dos EUA afirmou que informações iniciais indicam uma explosão que deixou mortos, e que “o incidente está sob investigação.”

Mais cedo, o grupo britânico Observatório Sírio para os Direitos Humanos, que monitora o conflito no país, havia dito que 15 pessoas tinham morrido no atentado.

Imagem obtida a partir de vídeo da agência de notícias ANHA mostra local de ataque suicida na cidade de Manjib, na Síria - AFP

O episódio acontece em meio à retirada de 2.000 militares da Síria, anunciada após o presidente Donald Trump afirmar que derrotou o grupo extremista. Na última sexta (11), tropas e os primeiros equipamentos militares americanos foram retirados da Síria.

A explosão aconteceu na cidade de Manjib, norte da Síria. Segundo o observatório, um homem-bomba detonou os explosivos do lado de fora de um restaurante frequentado por soldados.

Em rede social, a central de combate ao Estados Islâmico em Bagdá afirmou que membros do serviço americano foram mortos durante uma explosão enquanto faziam uma patrulha de rotina.

Em nota, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, afirmou que o presidente foi informado sobre o ataque e que vai continuar a monitorar a situação na Síria.

O Estado Islâmico divulgou comunicado afirmando que o ataque tinha como alvo a patrulha da coalizão e que havia matado ou ferido nove soldados americanos.

Antes do ataque desta quarta, outros dois americanos haviam morrido em combate na Síria desde que o primeiro contingente dos EUA chegou ao país, em 2015.

A retirada das tropas da Síria enfrenta oposição no Pentágono, com autoridades afirmando que representaria uma traição aos aliados curdos que combateram ao lado dos EUA na Síria. Eles estariam sob ameaça de uma ofensiva militar da Turquia.

Por discordar da decisão, o ex-secretário de Defesa Jim Mattis renunciou ao cargo, afirmando que suas visões não estavam alinhadas com as do republicano. Inicialmente, ele ficaria na posição até o final de fevereiro, mas Trump decidiu antecipar a saída do ex-aliado e anunciou que, a partir de janeiro, ele seria substituído por Patrick Shanahan, interino.

O governo planeja ainda a retirada de cerca de 7.000 soldados americanos no Afeganistão, metade dos cerca de 14 mil que estão no país.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.