Venezuela amplia prazo para saída de diplomatas americanos

Regime não explicou razão para extensão até 30 dias

Entrada da embaixada dos Estados Unidos na Venezuela, em Caracas, neste sábado (26) - Carlos García Rawlins/Reuters
Sylvia Colombo
Caracas

Durante todo o sábado (26), apoiadores do chavismo vinham combinando cercar a embaixada norte-americana em Caracas, uma vez que no fim do dia terminariam as 72 horas para que os diplomatas norte-americanos deixassem o país, segundo determinação do ditador Nicolás Maduro.

O plano era queimar bandeiras e fazer um “ruidaço”, obrigando os funcionários a deixarem a embaixada.

Pouco antes do término do prazo, porém, a chancelaria venezuelana soltou um comunicado retificando o prazo para a retirada da representação diplomática, que passa a ser agora de 30 dias.

No comunicado, o chanceler Jorge Arreaza diz que ambos os governos haviam acordado em manter negociações para estabelecer um "escritório de interesses em cada capital para atender a trâmites imigratórios”. Estima-se que vivem nos EUA 200 mil venezuelanos.

Neste domingo (27), o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, advertiu que haverá uma “resposta significativa” a qualquer ameaça contra a oposição ou contra diplomatas americanos no país.

“Qualquer ato de violência ou intimidação contra o pessoal diplomático dos EUA; o líder democrático da Venezuela, Juan Guaidó, ou a própria Assembleia Nacional representaria um grave ataque contra o estado de direito e receberá uma resposta significativa”, afirmou Bolton nas redes sociais.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.