Descrição de chapéu Venezuela

Canadá anuncia R$ 148 milhões em ajuda humanitária para a Venezuela

Grupo de Lima se reúne em Ottawa para discutir a crise venezuelana

Ottawa

O premiê canadense, Justin Trudeau, anunciou nesta segunda-feira (4) um pacote de 53 milhões de dólares canadenses (R$ 148 milhões) em ajuda humanitária para a Venezuela.

A ajuda canadense buscará "responder às necessidades mais urgentes dos venezuelanos, principalmente os mais de 3 milhões de refugiados", afirmou Trudeau.

O premiê canadense, Justin Trudeau, faz o discurso de abertura do encontro do Grupo de Lima em Ottawa, no Canadá
O premiê canadense, Justin Trudeau, faz o discurso de abertura do encontro do Grupo de Lima em Ottawa, no Canadá - Lars Hagberg/AFP

O anúncio ocorreu em meio a uma reunião em Ottawa do Grupo de Lima, formado por 14 países das Américas, dos quais apenas o México não reconhece o líder do Legislativo venezuelano, Juan Guaidó, como presidente interino da Venezuela.

"O grosso desses fundos se destinará a sócios confiáveis e países vizinhos para ajudá-los a apoiar a Venezuela e os venezuelanos", disse o líder canadense. "Hoje o Grupo de Lima envia uma mensagem clara de apoio ao povo venezuelano enquanto traçam seu próprio futuro."

Em novembro, a ONU havia liberado US$ 6,5 milhões (R$ 24 milhões) em ajuda humanitária para Caracas, com outros US$ 2,6 milhões (R$ 9,5 milhões) aprovados para futura liberação.

O governo Donald Trump também mobilizou ajuda, segundo declaração do conselheiro de segurança nacional dos EUA, John Bolton.

Mais cedo no sábado, Guaidó havia dito que ajuda humanitária chegaria para o país nas fronteiras da Venezuela com o Brasil e com a Colômbia e em uma ilha não identificada no Caribe, sem dar detalhes.

Reino Unido, França, Alemanha, Espanha e outros países europeus reconheceram nesta segunda-feira (4) Guaidó como presidente encarregado da Venezuela, depois de expirado o prazo dado pelos líderes europeus ao ditador Nicolás Maduro para a convocação de novas eleições. Maduro foi reeleito em maio para mais seis anos no comando do país, em um pleito boicotado pela oposição e marcado por denúncias de fraudes. 

A Venezuela vive uma crise socioeconômica sem precedentes em sua história, com hiperinflação, emigração em massa, desnutrição e colapso do sistema de saúde e de outros serviços públicos.

AFP
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.