Contra imigração, Hungria isenta de imposto mulheres com ao menos 4 filhos

'Não precisamos de números, precisamos de crianças húngaras', afirmou Viktor Orbán

Budapeste

Em seu discurso anual, no domingo (10), o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, anunciou empréstimos e benefícios fiscais para combater a retração na taxa de natalidade do país, se opondo à imigração como resposta para a queda demográfica.

“Há cada vez menos crianças nascidas na Europa. Para o Ocidente, a resposta é a imigração. Para cada criança que faltar, uma deve entrar e os números fecham. Mas nós não precisamos de números, precisamos de crianças húngaras”, afirmou o premiê, alvo de censura da União Europeia por causa de suas políticas anti-imigrantes.

O primeiro-ministro da Hungria faz discurso para correligionários
O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, discursa para membros de seu partido, em Budapeste - Attila Kisbenedek - 10.fev.2019/AFP

Entre as medidas anunciadas por Orbán estão a isenção do imposto de renda a mulheres com pelo menos quatro filhos e a expansão do programa de empréstimos para a compra de imóveis a famílias com pelo menos dois.

Outro programa prevê empréstimos com juros subsidiados de até 10 milhões de florins húngaros (cerca de US$ 36 mil, ou R$ 134 mil) para mulheres abaixo dos 40 anos que se casarem pela primeira vez —com proposta de abatimento de um terço da dívida após o nascimento do segundo filho e da totalidade após o nascimento do terceiro.

O governo não informou a estimativa de custo das medidas. Segundo o chefe de gabinete de Orbán, Gergely Gulyas, ele seria financiado pelas reservas nacionais ou excedentes do orçamento para 2019. Em seu discurso, o primeiro-ministro também expressou sua intenção de manter o crescimento econômico húngaro dois pontos percentuais à frente da média da União Europeia

A fala de Orbán foi recebida por protestos de centenas de manifestantes diante do palácio presidencial, no Castelo de Buda, e pelo bloqueio de uma ponte próxima sobre o rio Danúbio.

No poder desde 2010, Orbán foi reeleito em abril de 2018 com discurso nacionalista, anti-imigração e hostil à União Europeia, projetando-se como o único defensor dos valores cristãos húngaros frente à invasão de muçulmanos e chegando a afirmar que o bloco europeu assiste de braços cruzados a invasão do continente.

Orbán tem entrado em conflito frequente com Bruxelas à medida que estabelece um sistema que seus críticos veem como autocrático, aumentando seu controle sobre a Justiça e a imprensa. O Fidesz, seu partido, disputará neste ano eleições locais e do parlamento europeu. A sigla lidera as intenções de voto apesar dos recentes protestos contra mudança na legislação trabalhista que prevê 400 horas extras de trabalho, apelidada pelos opositores de “lei da escravidão”.

Reuters
Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.