Descrição de chapéu Venezuela

EUA anunciam sanções contra 4 governadores venezuelanos aliados a Maduro

Medida vem depois de governo barrar entrada de ajuda humanitária na Venezuela

O ditador Nicolás Maduro durante discurso em Caracas no sábado - Yuri Cortez - 23.fev.2019/AFP
São Paulo

O governo dos Estados Unidos anunciou nesta segunda-feira (25) sanções contra quatro governadores de estados venezuelanos ligados ao regime de Nicolás Maduro, pela obstrução da entrega de ajuda humanitária

Por nota, o Departamento de Estado disse que "o ilegítimo regime de Maduro impediu que a ajuda humanitária, desesperadamente necessária, entrasse na Venezuela e se envolveu em corrupção em detrimento do povo venezuelano, em alguns casos envolvendo violações de direitos humanos".

O anúncio não especificou quais punições foram aplicadas. Os governadores sancionados são Omar Prieto (do estado de Zulia), Rafael Lacava (Carabobo), Ramon Carrizalez (Apure) e Jorge Garcia Carneiro (Vargas). 

Na nota, o governo dos EUA "reafirma nosso chamado aos funcionários venezuelanos e forças de segurança para permitir que a comida e os remédios entrem e sejam distribuídos pelo país".

"As sanções dos Estados Unidos não precisam ser permanentes, elas pretendem mudar comportamentos", diz o Departamento de Estado.

O anúncio ocorre depois da tentativa de entrega humanitária organizada pela oposição neste sábado (23), que foi contida pelas forças de Maduro nas fronteiras com a Colômbia e o Brasil.

Nesta segunda (25), Mike Pence, vice-presidente dos EUA, participa de um encontro do Grupo de Lima, conjunto de 14 países das Américas. Realizado em Bogotá, na Colômbia, o encontro busca uma solução para a crise na Venezuela. 

Pence também se reunirá com Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por mais de 50 países, incluindo Estados Unidos e Brasil. 

Também nesta segunda, os EUA pediram ao Conselho de Segurança da ONU que se reúna na terça (26) para discutir a situação da Venezuela, disseram diplomatas à agência Reuters.

Os Estados Unidos têm pressionado o Conselho de Segurança a pedir formalmente novas eleições na Venezuela, para que assim sejam realizadas de forma justa, livres e confiáveis.

No entanto, China e Rússia, aliadas de Maduro, devem bloquear qualquer iniciativa mais contundente contra a Venezuela.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.