Descrição de chapéu Venezuela

Maduro rompe relações diplomáticas com a Colômbia

Diante de multidão em Caracas, ditador promete defender o país de intervenções estrangeiras

O ditador venezuelano, Nicolás Maduro, discursa em Caracas - Yuri Cortez/AFP
Caracas | AFP e Reuters

Enquanto manifestantes e militares entraram em confronto na fronteira entre a Venezuela e Colômbia, o ditador Nicolás Maduro fez discurso diante de uma multidão em Caracas em que prometeu defender o país de intervenções estrangeiras neste sábado (23).

Durante a mensagem, que durou mais do que uma hora, ele anunciou o rompimento das relações diplomáticas da Venezuela com a Colômbia e deu às representações diplomáticas do país vizinho o prazo de 24 horas para sair. 

Ele também afirmou que nunca antes um presidente colombiano havia ido tão longe contra um presidente venezuelano.

Sobre o mandatário colombiano, Iván Duque, disse: "Parece que ele tem cachinhos mas, eu diria 'você é o diabo'. E você vai se arrepender de se meter com a Venezuela".

A vice-presidente colombiana, Marta Lucía Rodríguez, rebateu: "Maduro não pode romper relações diplomáticas que a Colômbia não tem com ele".

"Nosso governo não indica embaixador para lá nem reconhecemos o embaixador de Maduro, pois seu mandato terminou no dia 9 de janeiro. É um simples ditador que ocupa por força o Miraflores [palácio presidencial]." 

Maduro também fez referências ao Brasil. "É o que digo a esse país, por exemplo. Mandei uma mensagem. Estamos dispostos, como sempre estivemos, a comprar todo arroz, todo leite em pó, toda a carne. Mas pagando. Não somos mau pagadores. Nem mendigos. Somos gente honrada que trabalha", disse.

"Trazer caminhões com leite em pó? Compro agora e pago agora. Querem trazer carne? Que venham para os mercados populares", completou.

Discursando com um cartaz ao fundo dizendo "hands off Venezula" ("tirem as mãos da Venezuela"), ele também não deixou críticas aos EUA de lado, com uma mensagem ao presidente do país. 

"Escute bem, Donald Trump: jamais vou trair ao juramento que fiz ao comandante Chávez de defender a pátria."

Juan Guaidó, líder da Assembleia Nacional da Venezuela que se declarou presidente, foi outro a ser lembrado no discurso.  

"Estamos esperando pelo senhor fantoche palhaço, fantoche do imperialismo americano e mendigo", disse Maduro, referindo-se a Guaidó, que está na cidade colombiana de Cúcuta, na fronteira com a Venezuela. 

Neste sábado, grandes tumultos irromperam em duas pontes ao longo da fronteira da Venezuela com a Colômbia, depois que quatro caminhões e manifestantes tentaram romper o bloqueio militar para obter ajuda humanitária, disseram jornalistas da AFP. 

"Minha vida é consagrada totalmente à defesa da pátria, em qualquer circunstância. Nunca me dobrarei, sempre defenderei a minha pátria com a minha vida, se necessário for", afirmou o ditador.

"É uma ordem que dou ao povo, aos militares patriotas, a todas as forças armadas bolivarianas. Se vocês amanhecerem um dia com a notícia de que fizeram algo com Nicolás Maduro, saiam as ruas", acrescentou.

Perto do fim, ele também lembrou a chegada do Carnaval venezuelano, que foi ampliado neste ano e começará na quinta (28), e instou os participantes a aproveitar "porque também merecemos". 

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.