Descrição de chapéu The Washington Post

Com ondas de 8 metros, passageiros narram espera por resgate em navio na Noruega

Cruzeiro ficou 24 horas à deriva em meio a um mar agitado e águas gélidas

Lindsey Bever Katie Mettler
The Washington Post

Pelas grandes janelas panorâmicas nas laterais do Viking Sky, os passageiros viram na tarde de sábado (23) ondas cinzentas espumantes e o horizonte se inclinar enquanto o enorme navio, carregando 1.373 pessoas, era dominado pelo mar.

Lá fora, uma tempestade nas águas gélidas e espessas ao largo da costa oeste da Noruega tinha cercado o navio de cruzeiro, que ia para o Reino Unido, com ondas de 8 metros e rajadas de vento de 70 quilômetros por hora.

Os motores do navio tinham falhado, deixando-o à deriva na baía de Hustadvika e rumando para o litoral rochoso. Plantas, um piano e móveis deslizavam pelo chão a cada balanço do navio. Painéis caíram do teto, e água gelada entrava pelas janelas quebradas.

"Foi assustador no início", disse à agência Associated Press o passageiro Alexus Sheppard, que postou na internet vídeos feitos no interior da embarcação. "E quando o alarme geral tocou pareceu muito real."

A tripulação baixou uma âncora e emitiu um pedido de socorro. Então começou a espera.

Durante 24 horas, os que estavam a bordo —uma mistura de americanos, britânicos, canadenses, neozelandeses e australianos— suportaram as condições violentas enquanto equipes de resgate trabalhavam para retirar os passageiros um a um. Barcos de resgate menores não seriam uma opção segura devido às ondas extremamente altas, por isso as autoridades norueguesas retiraram individualmente os passageiros do navio com helicópteros.

A agência Reuters relatou que o chefe de polícia Hans Vik, que comanda o Centro Conjunto de Coordenação de Resgates do Sul da Noruega, disse à TV2 que o navio chegou a 100 metros da costa antes que a tripulação conseguisse religar um motor.

"Se ele tivesse encalhado, teríamos enfrentado um grande desastre", disse Vik à TV2.

O passageiro Rodney Horgen, morador de Minnesota (EUA), disse à Associated Press que era um pescador tarimbado e nunca experimentou nada parecido com as condições a bordo do Viking Sky.

Horgen disse que um muro de água de 2 metros arrebentou uma porta e janelas e arrastou os passageiros, incluindo sua mulher, Judie Lemieux, por 10 metros pelo chão.

"Isso foi o limite. Eu disse a mim mesmo: 'Chega'", disse Horgen à Associated Press. "Agarrei minha mulher, mas não consegui segurá-la. E ela foi atirada para o outro lado da sala. Então foi jogada de volta pela onda que retornou."

Enfrentar a força e a temperatura da água —e o que aconteceria com uma pessoa se fosse atirada para fora do barco— foi "muito, muito assustador", disse Horgen. "Ninguém duraria muito tempo."

A viagem era uma espécie de peregrinação para Horgen, que desejava visitar o lar de seus ancestrais.

O cruzeiro deveria passar pelas cidades norueguesas de Narvik, Alta, Tromso, Bodo e Stavanger antes de atracar no porto inglês de Tilbury, no rio Tâmisa, na terça-feira (26).

A passageira Janet Jacob disse à emissora pública norueguesa NRK que foi uma das pessoas em dos primeiros grupos retirados por helicóptero. O vento forte "parecia um furacão", disse ela, que rezou "pela segurança de todos a bordo".

"Senti medo", disse Jacob. "Nunca passei por nada tão assustador."

John Curry, um passageiro americano que estava almoçando quando o navio começou a balançar, disse à NRK que o incidente foi um "caos" e que ele "preferia não pensar a respeito" da viagem de helicóptero do navio até o litoral.

"Não foi agradável", afirmou ele.

O presidente da Viking Cruises, Torstein Hagen, disse à TV2 que os passageiros tiveram "uma experiência um tanto chocante".

"A maioria de nossos passageiros são idosos... imagine como é ficar pendurado daquele cabo", disse Hagen. "Deve ser uma experiência terrível, mas eles parecem ter lidado muito bem com isso."

A Cruz Vermelha da Noruega disse à Reuters que mesmo os que não se feriram fisicamente ficaram "traumatizados pela experiência" e precisaram de cuidados na costa.

A Viking Cruises disse à Reuters em um comunicado que os passageiros estavam hospedados em hotéis locais e que a empresa estava arranjando voos para eles voltarem a seus países de origem.

Amigos e parentes dos passageiros, em pânico, buscaram nas redes sociais informação sobre seus entes queridos. Alguns passageiros, incluindo Sheppard, documentaram toda a missão de resgate, compartilhando fotos, vídeos e observações pelas redes sociais.

Sheppard postou fotos de pessoas dormindo no chão e usando coletes salva-vidas como travesseiros.

Às 10h de domingo (24), três dos quatro motores do navio voltaram a funcionar, e este seguiu para um porto levando 436 passageiros e 458 tripulantes, segundo um comunicado da Viking Ocean Cruises. Ao todo, 479 passageiros foram resgatados por ar e 20 pessoas sofreram ferimentos e foram tratadas em hospitais na Noruega.

Enquanto o navio rumava para Molde, em águas mais calmas, Sheppard tuitou um vídeo mostrando dezenas de passageiros que mexiam nos coletes salva-vidas cor-de-laranja.

"As pessoas estão tão entediadas que resolveram reembalar os coletes", explicou ele.

No domingo à tarde, o navio atracou em Molde.

Hagen disse ao jornal norueguês "VG" que o resgate do Viking Sky foi um dos eventos mais difíceis de que ele já participou.

"Tivemos muita sorte", disse.

Tradução de Luiz Roberto Mendes Gonçalves

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.