Descrição de chapéu Venezuela

Itamaraty manifesta preocupação com segurança de Guaidó no retorno à Venezuela

Nota emitida neste sábado cobra que 'direitos sejam plenamente respeitados'

0
O autodeclarado presidente interino da Venezuela Juan Guaidó e o presidente Jair Bolsonaro após reunião do Palácio do Planalto, em Brasília - Pedro Ladeira - 28.fev.2019/Folhapress
Brasília

O Ministério de Relações Exteriores emitiu nota neste sábado (2) em que externou preocupação com a segurança do autodeclarado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó.

"O governo brasileiro manifesta a expectativa de que sua volta à Venezuela ocorra sem incidentes", afirmou o Itamaraty, sob comando do chanceler Ernesto Araújo

"Que os direitos e segurança do presidente Guaidó, seus familiares e assessores sejam plenamente respeitados por aqueles que ainda controlam o aparato de repressão do regime", completou.

As circunstâncias do retorno de Guaidó ao seu país depois de um périplo pela América Latina estão nebulosas.

Nesta semana, o ditador Nicolás Maduro, em entrevista à TV americana ABC, sugeriu que Guaidó pode ser preso ao regressar.

Questionado se permitiria a volta do opositor, Maduro disse: "Ele pode sair e voltar, mas terá que dar explicações à Justiça, porque foi proibido de deixar o país. Ele tem que respeitar as leis."

 Guaidó foi proibido de deixar o país e teve contas bloqueadas pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), que é alinhado a Maduro. Em janeiro, o deputado opositor chegou a ser detido por agentes do Sebin (Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional) por cerca de uma hora.

Na nota deste sábado, o Itamaraty "rechaçou as intimidações e ameaças do regime Maduro contra o presidente encarregado da Venezuela, Juan Guaidó, e sua família".

O líder da oposição venezuelana tem dito que gostaria de chegar em Caracas pelo aeroporto de Maiquetía, e não em uma travessia clandestina pela fronteira da Colômbia, como fez para ir à Cúcuta, no último dia 23.

Para o governo dos Estados Unidos, uma eventual prisão de Guaidó pode precipitar um desfecho para a crise que acomete o país vizinho diante do cerco à ditadura Maduro.

“Seria um erro terrível do regime (Maduro), talvez fosse o último erro que o regime cometeria", afirmou à Folha Kimberly Breier, secretária Adjunta de Estado para Assuntos do Hemisfério Ocidental.

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.