Descrição de chapéu Venezuela

Regime Maduro proíbe Guaidó de ocupar cargos públicos por 15 anos

Controladoria-geral do país aponta inconsistência entre ganhos e gastos do opositor

O líder opositor Juan Guaidó durante evento em Caracas - Federico Parra/AFP
Caracas | Reuters e AFP

O líder opositor Juan Guaidó está proibido de ocupar cargos públicos por 15 anos, disse o controlador-geral da Venezuela, Elvis Amoroso, na quinta-feira (28).

Amoroso disse que Guaidó não explicou a origem de fundos que utilizou para pagar por viagens ao exterior desde que ele tomou posse na Assembleia, e que seus rendimentos são incompatíveis com seus gastos. 

Por isso, o órgão decidiu "inabilitar para o exercício de qualquer cargo público ao cidadão [Guaidó] pelo período máximo estabelecido por lei", disse à TV estatal. 

Em um comício em Caracas, Guaidó questionou a legitimidade de Amoroso. "A única instituição que pode apontar um controlador-geral é o Parlamento legítimo", disse.

Guaidó, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, de maioria opositora, invocou a Constituição para se declarar presidente interino em janeiro. O gesto foi reconhecido por mais de 50 países, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Desde então, Guaidó busca formas de remover do poder o ditador Nicolás Maduro, classificado pelo opositor como "usurpador" ao assumir a Presidência após uma votação considerada fraudulenta pela oposição e por vários países.

No entanto, Maduro segue com apoio do Exército do país. Na semana passada, um dos aliados de Guaidó,  Roberto Marrero, foi preso por agentes do serviço de inteligência do regime.

No sábado (23), o ditador acusou o líder legislativo, que ele descreve como "fantoche" dos EUA, de ter planejado, sem sucesso, assassiná-lo. "O boneco diabólico acabou de desmantelar um plano, que ele mesmo dirigiu, para me matar", afirmou o ditador, em Caracas.

No domingo (24), além de rebater as acusações de Maduro, Guaidó pediu aos seus partidários que se preparem para "a fase máxima de pressão" em sua luta contra o ditador. Ele convocou para sábado (30) uma manifestação rumo ao palácio de Miraflores, sede do governo.

Tópicos relacionados

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem.